Pesquisa personalizada

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

LIÇÃO 1 - PAULO E A IGREJA EM FILIPOS LIÇÕES BÍBLICAS - 3º Trimestre de 2013 - CPAD - Para jovens e adultos (Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva)

  

TEXTO ÁUREO
"E peço isto: que o vosso amor aumente mais e mais em ciência e em todo o conhecimento" (Fp 1.9).

 

VERDADE PRÁTICA
Paulo tinha uma grande afeição pelos irmãos de Filipos; por isso suas orações e ações de graças por essa igreja eram constantes.

 

LEITURA DIÁRIA
Segunda - Fp 1.3-6 A oração que inspira compromisso
Terça - Fp 1.7 A justiça provém do amor
Quarta - Fp 1.12-15 Tribulações por amor ao Evangelho
Quinta - Jo 15.4,5,8,16 O amor revela-se em obras
Sexta - Rm 12.9-21 O amor valida as boas obras
Sábado - Fp 4.14-19 O amor gera contentamento

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Filipenses 1.1-11
1 Paulo e Timóteo, servos de JESUS CRISTO, a todos os santos em CRISTO JESUS que estão em Filipos, com os bispos e diáconos: 2 graça a vós e paz, da parte de DEUS, nosso Pai, e da do Senhor JESUS CRISTO. 3 Dou graças ao meu DEUS todas as vezes que me lembro de vós, 4 fazendo, sempre com alegria, oração por vós em todas as minhas súplicas, 5 pela vossa cooperação no evangelho desde o primeiro dia até agora. 6 Tendo por certo isto mesmo: que aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até ao Dia de JESUS CRISTO. 7 Como tenho por justo sentir isto de vós todos, porque vos retenho em meu coração, pois todos vós fostes participantes da minha graça, tanto nas minhas prisões como na minha defesa e confirmação do evangelho. 8 Porque DEUS me é testemunha das saudades que de todos vós tenho, em entranhável afeição de JESUS CRISTO. 9 E peço isto: que a vossa caridade aumente mais e mais em ciência e em todo o conhecimento. 10 Para que aproveis as coisas excelentes, para que sejais sinceros e sem escândalo algum até ao Dia de CRISTO, 11 cheios de frutos de justiça, que são por JESUS CRISTO, para glória e louvor de DEUS.

Filipenses - Introdução e comentário - Ralph P. Martin, Ph. D. - Série Cultura Bíblica - Vida Nova -

SAUDAÇÃO DE PAULO 1:1,2
1:1 As primeiras linhas da carta indicam os nomes dos remetentes e recipientes, de acordo com as antigas convenções sobre a prática epistolar. Contudo, há uma riqueza de descrição envolvendo os nomes dos homens de DEUS, na fé cristã, que é singular, nesta carta.
Há um enunciado formal, enriquecido com significado teológico, pela simples inclusão dos nomes dos homens de DEUS.
Timóteo é incluído em face de sua associação com Paulo em seu cativeiro; 2:19-24 deixa bem claro, também, que Timóteo tinha uma ligação especial com os filipenses, e era o emissário de confiança, de Paulo, que brevemente seria enviado a Filipos. O nome dele é mencionado na saudação como abertura para a menção posterior dos planos de Paulo, no capítulo 2.
Paulo e Timóteo são chamados pelo título de servos de CRISTO JESUS, para ficar marcado seu senso de responsabilidade, sob a direção de DEUS.
Este título denota a autoridade que DEUS lhes deu para falarem e agirem em Seu nome, como Seus genuínos representantes. “Ser um servo, na linguagem religiosa do judaísmo, significava ser alguém escolhido por DEUS” (Lohmeyer, sobre 2:7).
“ servo de CRISTO JESUS”, que é um sinal de seu senso de autoridade apostólica (cf. 2 Co 10:8), o qual permeia toda a carta.
A comunidade cristã que veio a existir em seguida ao “evangelismo inicial” de Paulo, em Filipos (At 16:12ss.), é descrita como todos os santos em CRISTO JESUS que vivem em Filipos.
O plural é intencional, visto que este adjetivo, aplicado aos crentes em CRISTO, é encontrado em referência a um grupo, somente, na literatura do Novo Testamento. 
Os crentes são santos em CRISTO JESUS, isto é, mediante sua união com Ele, que os reivindicou como Seu povo, e que se tornou a base de sua nova vida.
Paulo destaca, para menção especial, os bispos (RSV na margem, “supervisores”) e diáconos. Eles são líderes da congregação filipense.
Deveríamos ver na carta o prenúncio do surgimento de posições eclesiásticas, para as quais seriam nomeados homens seletos.
2. A invocação de graça. . . e paz junta, numa única frase, as duas palavras do grego e do hebraico, usadas em oração, que viriam desempenhar papel central na liturgia. No lugar da saudação costumeira (gr. chairein), Paulo vai ao equivalente grego da palavra, do VT, para misericórdia de DEUS (heb. hesedh) e acopla-a ao rico desejo hebraico para paz (heb.sãlôm). Isto resulta em “salvação para o homem integral, tanto do corpo como da alma”, e não apenas “prosperidade espiritual” (W. Foerster, TDNT ii, pp. 414s.). O dom de DEUS da “integralidade” vem de Sua graça, tomada conhecida em JESUS CRISTO, o Senhor, cujo nome aparece com freqüência nesta seção introdutória, dando ênfase saliente à carta pastoral de Paulo.

ORAÇÃO DE PAULO PELA IGREJA 1:3-11
3. As orações de Paulo são dignas de serem estudadas em diversos níveis. Paulo relaciona suas orações ao seu interesse pastoral pelas igrejas, e seu desejo de ver seus leitores atingir a maturidade em CRISTO.
Quanto à estrutura geral da carta, que inclui, após a saudação (1:1,2), os elementos de
(1) agradecimento (1:3-11),
(2) o corpo da carta, que incorpora uma abertura formal (1:12-18), argumentação teológica, tanto teórica (por ex.: 1:23; 6-26) como prática (por ex.: l:27ss.), conduzindo à promessa de uma parousia apostólica (2:24) e a seção de “viagens” (2:19-30),
(3) paraenesis (ou exortação) nos capítulos 3,4 e (4) elementos de fecho, como saudações, doxologia e bênção.
Estudos recentes têm demonstrado que suas orações conformam-se com um padrão estabelecido pela “forma litúrgica de orações da comunidade cristã”
Algumas características importantes desta estrutura são as ações de graças iniciais (de acordo com o modelo judeu hôdãvôt, título tirado da frase “eu te agradeço”, que é costumeiro nas orações judaicas, sendo evidente especialmente no rolo IQH de Qumran), e um tributo doxológico no final do período de Paulo. O versículo 11 tem a forma: “para a glória e louvor de DEUS”.
Um fator adicional deve ser mencionado, visto exercer considerável influência na tarefa da exegese, especialmente no versículo 3. O agradecimento introduz “o tema vital da carta”, ou aquilo que ele chama de “situação epistolar” (pp. 71,78).
“dou graças a meu DEUS por toda a recordação que tendes de mim”. A ocasião em que Paulo sentiu-se cheio de gratidão foi quando a generosidade da igreja filipense lembrou-se dele (sustentou-o) de maneira prática, com dádivas repetidas (4:15-17). Paulo expressa sua gratidão a DEUS pelo sustento dos filipenses, e isto, em seguida, é descrito como participação deles no evangelho, desde que primeiro se encontraram com Paulo, até a presente data. 
4. fazendo sempre . . . súplicas por todos vós, em todas as minhas orações. Os filipenses lembraram-se de Paulo em suas necessidades. Em gratidão por este ativo interesse, bem recentemente demonstrado na chegada de Epafrodito, como mensageiro dele (4:18), Paulo louva a DEUS e, reciprocamente, assegura-lhes que está orando por eles. Mais ainda, ele ora com alegria. A alegria irrestrita de Paulo em meio aos sofrimentos é um dos temas de sua carta.
5. Ele fornece, agora, a segunda razão de sua gratidão. Ele dá graças pela vossa cooperação no evangelho. Esta frase introduz um dos termos de Paulo, koinõnia, cooperação. “cooperação”, neste versículo, é “compartilhamento da fé”. koinõnia, refere-se à participação num assunto, isenta de experiência subjetiva, uma “realidade objetiva”.
De modo alternativo, podemos, também, presumir que é difícil evitar-se a verificação de algum elemento subjetivo no elogio de Paulo à kainõnia filipense, não apenas no começo, mas, até o presente. Parece que isto concorda plenamente com o sentimento de 4:15. Eles haviam repetidamente mostrado interesse pelo evangelho, através de sua contínua ajuda a Paulo; é, pois, sua “generosidade” que está em vista.
Os paralelos são encontrados em Romanos 15:26 e 2 Coríntios 9:13, e a aplicação específica de sua atitude generosa é vista na expressão prática deles, naquilo que enviaram a Paulo, repetidamente, a fim de ajudar a obra do evangelho, isto é, a missão apostólica. Em 2 Coríntios 8:7 fala-se do sacrifício dos macedônios em suas dádivas, salientando-se, sobremaneira, sua constância e fidelidade, para com Paulo e seu trabalho. 
6. desde o primeiro dia lembra a fundação da igreja de Atos 16. Paulo é lembrado de que a origem da igreja, embora proveniente de sua pregação e trabalhos pastorais, deve ser traçada diretamente a DEUS, que começou boa obra no meio deles. Paulo está suprindo uma cobertura teológica, para sua confiança em que a igreja filipense será preservada até o final dos tempos, até ao dia de CRISTO JESUS. Ele é levado a esta consideração ao refletir sobre como a igreja começou no primeiro dia. 
7. Aliás, é justo que eu assim pense de todos vós. E adequado para Paulo que ele expresse esta convicção, como um assunto já estabelecido, em sua mente (o verbo pensar gr. phrotein) é uma palavra chave nesta epístola; significa uma combinação de atividades intelectuais e afetivas, que toca tanto a mente como o coração, e conduz a uma ação positiva). 
Porque vos trago no coração. O relacionamento de Paulo com seus leitores é caloroso e terno. Ele prende a todos num abraço apertado, cheio de afeição (veja-se o v. 8).
Todos sois participantes da graça comigo. O fator mais importante, numa situação total que o inspira com confiança, a respeito do futuro da igreja, é que ele sabe que tanto ele próprio, como a igreja, são co-participantes de uma realidade comum, a graça de DEUS. Torna-se claro que tanto o apóstolo como a igreja são co-participantes de sofrimento e conflito; o inusitado é a percepção agora expressa, por Paulo, de que eles estão juntos, associados na graça divina. Mediante isto, a igreja é sustentada e encorajada a resistir. Graça aqui, tem o significado de força de DEUS tornada disponível para Seu povo, em sua fraqueza e necessidade (veja-se 2 Co 12:9).
As algemas de Paulo não foram uma punição que ele trouxera sobre si próprio. Ele era um prisioneiro em razão de sua vocação como apóstolo de CRISTO.  Paulo foi chamado, de maneira positiva, para “confirmar” a pregação, mediante sua declaração ousada e franca. A esperança firme de Paulo é que tanto ele quanto seus leitores estão seguros, sob a guarda de DEUS, podendo utilizar Seus recursos, mesmo estando ele em algemas, e prestes a testemunhar, durante o processo a que responde. 
8. Pois minha testemunha é DEUS, da saudade que tenho de todos vós, na tema misericórdia de CRISTO JESUS. À medida que lemos este versículo, abre-se uma janela no profundo relacionamento de Paulo com seus convertidos. Ele abandona, de forma espantosa, o costume rabínico de evitar o uso do nome de DEUS numa assertiva tão solene, e invoca DEUS para ser testemunha de que ele nutre um profundo desejo de reunir-se a seus amigos em Filipos. O verbo grego epipothein, traduzido aqui por ter saudade, é freqüentemente usado por Paulo para denotar seu desejo de ver seus amigos crentes (Rm 1:11; 1 Ts 3:6; 2 Tm 1:4) . Este intenso anseio por estar reunido à igreja, em comunhão, e que evidentemente significava tanto para o apóstolo (veja-se 4:1, onde há um sentimento semelhante), é descrito, agora, como nada menos do que o amor de CRISTO expressando-se através de Paulo.  Ele confessa, aqui, que sua união com CRISTO não é um evento privativo, mas estende-se de modo a abraçar os crentes, também. 
9. Entretanto, o anseio de Paulo por ver os filipenses deve, pelo menos no presente, ficar não-atendido. Ele espera que, mui brevemente, seja ele satisfeito (2:24). O confinamento numa prisão impede-o de realizar seu anseio de imediato. Assim, Paulo, mesmo à distância, cumpre um ministério pastoral de oração.
As orações de Paulo encorajam seus leitores a agir segundo o pedido contido nas orações. Amor neste contexto é, aparentemente, o amor mútuo entre os crentes (cf. 1 Ts 3:12; cf. 4:9). Contudo, é dom de DEUS, e sinal de Sua graça na era messiânica, que veio substituir a religião da Torah (cf. Collange). A oração de Paulo é para que os filipenses possam expressar seu amor em seus relacionamentos mútuos, à medida que vão reconhecendo aquilo que precisa ser feito, numa determinada situação e, em seguida, aplicar o conhecimento. Talvez seu olho já estivesse focalizando uma comunidade onde havia tendência para o egoísmo, desunião, e acusação mútua (2:2; 2:14; 4:lss.).
Uma das características tristes desta igreja era a confusão nos assuntos morais, que os tornava presa fácil dos mestres sectários, que são condenados no capítulo 3. 
10. Dois resultados seguem-se pelo cultivo destas virtudes. Um deles é que os filipenses possam aprovar as coisas excelentes, e em seguida, ao nível do caráter cristão, que possam ser sinceros e inculpáveis, preparando-se para o dia escatológico da prova (Rm 2:16).
O verbo aprovar (gr. dokimazein) significa “pôr sob teste” (1 Ts 5:21) e depois “aceitar quando testado”, ou “aprovar”. Como termo comercial, era usado para denotar o teste de moedas. As que eram “aprovadas”, eram dinheiro genuíno, não-falsificado. A idéia de “teste” era, evidentemente, algo muito familiar, e favorito, para Paulo (veja-se Rm 12:2; 1 Co 3:13; 11:28; 2 Co 8:22; 13:5; G1 6:4; 1 Ts 2:4).
A idéia é que os leitores de Paulo possam ter a habilidade de discernir, e depois praticar, em suas vidas coletivas, como crentes, os assuntos realmente importantes do viver comunitário. Para o cristão, a Torah foi substituída pelo amor (v. 9), como critério importantíssimo para o julgamento moral.
A chamada aos filipenses é para serem sinceros e inculpáveis, simultaneamente. Talvez estes adjetivos devam ser tomados de modo complementar, o primeiro sugerindo um elemento positivo, de autenticidade, e o segundo, assegurando-lhes, negativamente, que não deveria haver falta em seu caráter. 
Inculpáveis pode carregar um sentido transitivo: “que não causa ofensa” para outra pessoa (cf. 1 Co 10:32; At 24:16).
11. fruto de justiça é uma frase que pode ser entendida de duas maneiras diferentes, dependendo da força do genitivo. Primeiramente, significa: “fruto que consiste em estar relacionado retamente com DEUS”. Justiça é considerada como pertencendo “à estrutura da metáfora forense, comum, de Paulo — é a condição de absolvição que DEUS graciosamente concede através de CRISTO” (Houlden; cf. Collange). A maior parte dos comentaristas prefere outro ponto de vista, segundo o qual se deve ver na frase um sentido ético. Paulo está orando para que seus leitores vivam vidas que produzam uma colheita de qualidades morais, num viver correto, sendo isto o “fruto do ESPÍRITO” (G1 5:22), o qual é possível mediante a união com JESUS CRISTO (veja-se J. A. Ziesler, The Meaning of Righteousness in Paul, Cambridge, 1972, pp. 151, 203) .
A oração de Paulo encerra-se com uma nota que caracteriza as orações tanto dos judeus como dos primitivos cristãos. Para a glória e louvor de DEUS não faz parte da oração apostólica mas, é empréstimo litúrgico, adicionado para concluir o período de ação de graças.

Paulo e suas prisões:
Em Filipos esteve em prisão, junto com Silas (Atos 16:19). Também em Éfeso foi prisioneiro (Filipenses 1,23-26). De fato foi daquela prisão que escreveu aos filipenses e a Filemon. A sua vida é colocada definitivamente em perigo em Jerusalém, quando se arisca a ser linchado. É primeiro preso ali e depois transferido primeiro para Cesareia Marítima e finalmente para Roma, onde vive um tipo de “prisão domiciliar” , depois tem prisão mais severa e é finalmente condenado à morte, provavelmente depois do incêndio de Roma(Imperador Nero).

CARTA DO APÓSTOLO PAULO AOS FILIPENSES (BEP -CPAD)
Esboço
Introdução (1.1-11)
A. Saudações (1.1,2)
B. Ação de Graças e Oração pelos Filipenses (1.3-11)
I. As Circunstâncias em que Paulo se Encontrava (1.12-26)
A. O Avanço do Evangelho por Causa da Prisão de Paulo (1.12-14)
B. A Proclamação de CRISTO de Todas as Maneiras (1.15-18)
C. A Disposição de Paulo para Viver ou Morrer (1.19-26)
II. Assuntos de Interesse da Igreja (1.27—4.9)
A. Exortação de Paulo aos Filipenses (1.27—2.18)
1. À Perseverança (1.27-30)
2. À Unidade (2.1-2)
3. À Humildade e Prontidão em Servir (2.3-11)
4. À Obediência e à Conduta Irrepreensível (2.12-18)
B. Os Mensageiros de Paulo à Igreja (2.19-30)
1. Timóteo (2.19-24)
2. Epafrodito (2.25-30)
C. Advertência de Paulo a Respeito de Falsos Ensinos (3.1-21)
1. A Falsa Circuncisão Face à Verdadeira (3.1-16)
2. A Mentalidade Terrena Face à Espiritual (3.17-21)
D. Conselhos Finais de Paulo (4.1-9)
1. Firmeza e Harmonia (4.1-3) 
2. Alegria e Eqüidade (4.4,5)
3. Liberdade da Ansiedade (4.6,7)
4. Controle da Mente e da Vontade (4.8-9)
Conclusão (4.10-23)
A. Reconhecimento e Gratidão por Ofertas Recebidas (4.10-20)
B. Saudações Finais e Bênção (4.21-23)
Autor: Paulo
Tema: Alegria de Viver por CRISTO
Data: Cerca de 62/63 d.C.

Considerações Preliminares
A cidade de Filipos, na Macedônia oriental, a 16 km do Mar Egeu, foi assim chamada em homenagem a Filipe II da Macedônia, pai de Alexandre Magno. Nos dias de Paulo, era uma cidade romana privilegiada, tendo uma guarnição militar. 
A igreja de Filipos foi fundada por Paulo e sua equipe de cooperadores (Silas, Timóteo, Lucas) na sua segunda viagem missionária, em obediência a uma visão que DEUS lhe dera em Trôade (At 16.9-40). Um forte elo de amizade desenvolveu-se entre o apóstolo e a igreja em Filipos. Várias vezes a igreja enviou ajuda financeira a Paulo (2 Co 11.9; Fp 4.15,16) e contribuiu generosamente para a coleta que o apóstolo providenciou para os crentes pobres de Jerusalém (cf. 2 Co 8-9). Parece que Paulo visitou a igreja duas vezes na sua terceira viagem missionária (At 20.1,3,6).

Propósito
Da prisão (1.7,13,14), certamente em Roma (At 28.16-31), Paulo escreveu esta carta aos crentes Filipenses para agradecer-lhes pela sua oferta generosa, cujo portador foi Epafrodito (4.14-19) e para informá-los do seu estado pessoal. Além disso, escreveu para transmitir à congregação a certeza do triunfo do propósito de DEUS na sua prisão (1.12-30), para assegurar à igreja que o mensageiro por ela enviado (Epafrodito) cumprira fielmente a sua tarefa e que não estava voltando antes do devido tempo (2.25-30), e para levar os membros da igreja a se esforçarem para conhecer melhor o Senhor, conservando a unidade, a humildade, a comunhão e a paz.

Visão Panorâmica
Diferente de muitas das cartas de Paulo, Filipenses não foi escrita primeiramente devido a problemas ou conflitos na igreja. Sua tônica básica é de cordial afeição e apreço pela congregação. Da saudação inicial (1.1) à bênção final (4.23), a carta focaliza CRISTO JESUS como o propósito da vida e a esperança da vida eterna por parte do crente. Nesta epístola, Paulo trata de três problemas menores em Filipos: (1) O desânimo dos crentes ali, por causa da prisão prolongada de Paulo (1.12-26); (2) pequenas sementes de discórdia entre duas mulheres da igreja (4.2; cf. 2.2-4); e (3) a ameaça de deslealdade sempre presente entre as igrejas, por causa dos mestres judaizantes e dos crentes de mentalidade terrena (cap. 3). Em meio a esses três problemas em potencial, temos os ensinos mais ricos de Paulo sobre (1) alegria em meio a todas as circunstâncias da vida (e.g., 1.4,12; 2.17,18; 4.4,11-13), (2) a humildade e serviço cristãos (2.1-16), e (3) o valor incomensurável de conhecer a CRISTO (cap. 3).

Características Especiais
Cinco assuntos principais caracterizam esta epístola. (1) Ela é muito pessoal e afetuosa, refletindo assim o estreito relacionamento entre Paulo e os crentes Filipenses. (2) É altamente cristocêntrica, revelando a estreita comunhão entre Paulo e CRISTO (e.g., 1.21; 3.7-14). (3) Contém uma das declarações cristológicas mais profundas da Bíblia (2.5-11). (4) É preeminentemente a “Epístola da Alegria” no NT. (5) Apresenta um modelo de vida cristã dinâmica e resignada, inclusive o viver humilde e como servo (2.1-8); prosseguir com firmeza para o alvo (3.13,14); regozijar-se sempre no Senhor (4.4); libertar-se da ansiedade (4.6), contentar-se em todas as circunstâncias (4.11) e fazer todas as coisas mediante a potente graça de CRISTO (4.13).

capítulo 1
1.4 ALEGRIA. A alegria é parte integrante da nossa salvação em CRISTO. É paz e prazer interiores em DEUS Pai, Filho e ESPÍRITO SANTO, e na bênção que flui de nosso relacionamento com Eles (cf. 2 Co 13.14). Os ensinos bíblicos a respeito da alegria incluem: (1) A alegria está associada à salvação que DEUS concede em CRISTO (1 Pe 1.3-6; cf. Sl 5.11; 9.2; Is 35.10) e com a Palavra de DEUS (Jr 15.16; cf. Sl 119.14). (2) A alegria flui de DEUS como um dos aspectos do fruto do ESPÍRITO (Sl 16.11; Rm 15.13; Gl 5.22). Logo, ela não nos vem automaticamente. Nós a experimentamos somente à medida que permanecemos em CRISTO (Jo 15.1-11). Nossa alegria se torna maior quando o ESPÍRITO SANTO nos transmite um profundo senso da presença e do contato com DEUS em nossa vida (cf. Jo 14.15-21; ver 16.14). JESUS ensinou que a plenitude da alegria está intimamente ligada à nossa permanência na sua Palavra, à obediência aos seus mandamentos (Jo 15.7,10,11) e à separação do mundo (Jo 17.13-17). (3) A alegria, como deleite na presença de DEUS e nas bênçãos da redenção, não pode ser destruída pela dor, pelo sofrimento, pela fraqueza nem por circunstâncias difíceis (Mt 5.12; At 16.23-25; 2 Co 12.9). O REINO DE DEUS É PAZ, JUSTIÇA E ALEGRIA NO ESPÍRITO.
1.6 TENDO POR CERTO ISTO. A confiança de Paulo nos Filipenses, baseia-se não somente na boa obra que DEUS efetuou neles, como também no zelo e na abnegação deles em prol da fé (vv. 5,7; 4.15-18). A fidelidade de DEUS é uma bênção perene para o crente fiel, mas ela é ineficaz para com aqueles que resistem à sua graça (ver 2.13; 2 Tm 2.13).
1.9 A VOSSA CARIDADE AUMENTE... EM CIÊNCIA. A caridade, se procede de CRISTO, deve basear-se na revelação e no conhecimento bíblicos. (1) No NT, "ciência" (gr. epignosis) significa conhecimento espiritual no coração (no espírito) e não simplesmente no intelecto. Trata-se da revelação de DEUS, conhecida experimentalmente, incluindo a comunhão pessoal com Ele e não um simples conhecimento intelectual de fatos a respeito dEle (vv. 10,11; Ef 3.16-19). (2) Logo, conhecer a Palavra de DEUS (cf. Rm 7.1), ou conhecer a vontade de DEUS (At 22.14; Rm 2.18), subentende um conhecimento que se expressa na comunhão, na obediência, na vida e no andar com DEUS (Jo 17.3; 1 Jo 4.8). Conhecer a verdade teológica deve ter como objetivo o amor a DEUS e o livramento do pecado (Rm 6.6). "Em todo o conhecimento" significa o crente discernir o que é bom e o que é mau.
1.10 SINCEROS E SEM ESCÂNDALO ALGUM. "Sincero" significa "sem nenhuma mistura do mal"; "sem escândalo algum" significa "inculpável" diante de DEUS e dos homens. Tal santidade deve ser o alvo supremo de todo crente, tendo em vista a iminente volta de CRISTO. Somente com um amor abundante, derramado em nosso coração pelo ESPÍRITO SANTO (Rm 5.5; cf. Tt 3.5,6) e com fidelidade total à Palavra de DEUS, é que seremos "sinceros e sem escândalo algum até ao Dia de CRISTO".
1.16 PARA DEFESA DO EVANGELHO. DEUS deu a Paulo a tarefa importante de defender o conteúdo do evangelho, conforme o temos nas Escrituras. Semelhantemente, todos os crentes são conclamados a defender a verdade bíblica e a resistir àqueles que distorcem a fé (v. 27; ver Gl 1.9; Jd 3 ). As palavras de Paulo parecem estranhas aos pastores dos nossos dias, que não vêem a necessidade de "batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos" (Jd 3)
1.19 ESPÍRITO DE JESUS CRISTO. O ESPÍRITO SANTO que habita no crente é chamado o "ESPÍRITO de JESUS CRISTO" (Cf. At 16.7; Rm 8.9; Gl 4.6), porque é CRISTO quem outorga o ESPÍRITO ao crente, na sua conversão e é Ele quem subseqüentemente batiza o crente com o ESPÍRITO SANTO (ver At 1.8). Esse ESPÍRITO é o mesmo que ungiu a JESUS, a fim de trazer redenção ao mundo (ver Lc 4.18)
1.21 MORRER É GANHO. O verdadeiro crente, vivendo no centro da vontade de DEUS, não precisa ter medo da morte. Ele sabe que DEUS tem um propósito para o seu viver, e que a morte, quando ela vier, é simplesmente o fim da sua missão terrestre e o início de uma vida mais gloriosa com CRISTO (vv. 20-25; ver Rm 8.28)
1.27 NUM MESMO ESPÍRITO. A verdadeira essência da unidade do ESPÍRITO consiste em viver de modo digno (cf. Ef 4.1-3), permanecendo firme num só espírito e propósito (cf. Ef 4.3), combatendo lado a lado como guerreiros pela propagação e defesa do evangelho, segundo a revelação apostólica (v. 17; cf. Ef 4.13-15) e defendendo juntamente a verdade do evangelho contra aqueles que são "inimigos da cruz de CRISTO" (3.18). Observemos que "espírito", aqui, tem o sentido de disposição mental, ânimo, zelo, propósito, dedicação, diligência e não o espírito humano em si.

capítulo 2
2.3 POR HUMILDADE. Devido ao egocentrismo inato do homem caído, o mundo não tem em alta estima a humildade e a modéstia. A Bíblia, no entanto, com seu conceito teocêntrico do homem e da salvação, atribui máxima importância à humildade. (1) A humildade bíblica subentende a consciência das nossas fraquezas e a decisão de atribuir de imediato todo crédito DEUS e ao próximo, por aquilo que realizamos (Jo 3.27; 5.19; 14.10; Tg 4.6). (2) Devemos ser humildes porque somos simples criaturas (Gn 18.27); somos pecaminosos à parte de CRISTO (Lc 18.9-14) e não podemos jactar-nos de nada (Rm 7.18; Gl 6.3), a não ser no Senhor (2 Co 10.17). Logo, dependemos de DEUS para nosso valor e para nossa frutificação, e não podemos realizar nada de valor permanente sem a ajuda de DEUS e do próximo (Sl 8.4,5; Jo 15.1-16). (3) A presença de DEUS acompanha aqueles que andam em humildade (Is 57.15; Mq 6.8). Maior graça é dada aos humildes, mas DEUS resiste aos soberbos (Tg 4.6; 1 Pe 5.5). Os mais zelosos filhos de DEUS servem "ao Senhor com toda a humildade" (At 20.19). (4) Como crentes, devemos viver em humildade uns para com os outros, considerando-os superiores a nós mesmos (cf. Rm 12.3). (5) O oposto da humildade é a soberba, um senso exagerado da importância e da auto-estima da pessoa que confia no seu próprio mérito, superioridade e realizações. A tendência inevitável da natureza humana e do mundo é sempre à soberba, e não à humildade (1 Jo 2.16; cf. Is 14.13,14; Ez 28.17; 1 Tm 6.17).
2.5 HAJA EM VÓS O MESMO SENTIMENTO. Paulo enfatiza como o Senhor JESUS deixou a glória incomparável do céu e humilhou-se como um servo, sendo obediente até à morte para o benefício dos outros (vv. 5-8). A humildade integral de CRISTO deve existir nos seus seguidores, os quais foram chamados para viver com sacrifício e renúncia, cuidando dos outros e fazendo-lhes o bem.
2.6 SENDO EM FORMA DE DEUS. JESUS sempre foi DEUS pela sua própria natureza e igual ao Pai antes, durante e depois da sua permanência na terra (ver Jo 1.1; 8.58; 17.24; Cl 1.15,17; ver Mc 1.11; Jo 20.28). CRISTO, no entanto, não se apegou aos seus direitos divinos, mas abriu mão dos seus privilégios e glória no céu, a fim de que nós, na terra, fôssemos salvos.
2.7 ANIQUILOU-SE A SI MESMO. O texto grego do qual foi traduzida esta frase, diz literalmente, que ele "se esvaziou", i.e., deixou de lado sua glória celestial (Jo 17.4), posição (Jo 5.30; Hb 5.8), riquezas (2 Co 8.9), direitos (Lc 22.27; Mt 20.28) e o uso de prerrogativas divinas (Jo 5.19; 8.28; 14.10). Esse "esvaziar-se" importava não somente em restrição voluntária dos seus atributos e privilégios divinos, mas também na aceitação do sofrimento, da incompreensão, dos maus tratos, do ódio e, finalmente, da morte de maldição na cruz (vv. 7,8).
2.7 A FORMA DE SERVO... SEMELHANTE AOS HOMENS. Para trechos na Bíblia que tratam de CRISTO assumindo a forma de servo, ver Mc 13.32; Lc 2.40-52; Rm 8.3; 2 Co 8.9; Hb 2.7,14. Embora permanecesse em tudo divino, CRISTO tomou sobre si uma natureza humana com suas tentações, humilhações e fraquezas, porém sem pecado (vv. 7,8; Hb 4.15).
2.12 OPERAI A VOSSA SALVAÇÃO. Como crentes salvos pela graça, devemos concretizar a nossa salvação até o fim. Se deixarmos de fazê-lo, nós a perderemos. (1) Não desenvolvemos a nossa salvação por meros esforços humanos, mas por meio da graça de DEUS e do poder do ESPÍRITO SANTO que nos foram outorgados. (2) A fim de desenvolvermos a nossa salvação, devemos resistir ao pecado e atender os desejos do ESPÍRITO SANTO em nosso íntimo. Isso envolve um esforço contínuo e ininterrupto, de usar todos os meios determinados por DEUS para derrotarmos o mal e manifestarmos a vida de CRISTO. Sendo assim, concretizar a nossa salvação é concentrar-nos na importância da santificação (ver Gl 5.17). (3) Operamos a nossa salvação, chegando cada vez mais perto de CRISTO (ver Hb 7.25) e recebendo seu poder para querer e efetuar a boa vontade de DEUS (ver v. 13). Deste modo, somos "cooperadores de DEUS" (1 Co 3.9) para a nossa completa salvação no céu. (4) Desenvolver a nossa salvação é tão vital que deve ser feito "com temor e tremor".
2.12 TEMOR E TREMOR. Na salvação efetuada por CRISTO, Paulo vê lugar para "temor e tremor" da nossa parte. Todo filho de DEUS deve possuir um santo temor que o faça tremer diante da Palavra de DEUS (Is 66.2) e o leve a desviar-se de todo mal (Pv 3.7; 8.13). O temor (gr. phobos) do Senhor não é de conformidade com a definição freqüentemente usada, a mera "confiança reverente", mas inclui o santo temor do poder de DEUS, da sua santidade e da sua justa retribuição, e um pavor de pecar contra Ele e das conseqüências desse pecado (cf. Êx 3.6; Sl 119.120; Lc 12.4,5). Não é um temor destrutivo, mas um temor que controla e que redime e que aproxima o crente de DEUS, de suas bênçãos, da pureza moral, da vida e da salvação (cf. Sl 5.7; 85.9; Pv 14.27; 16.6).
2.13 DEUS É O QUE OPERA EM VÓS. A graça de DEUS opera nos seus filhos, para produzir neles tanto o desejo quanto o poder para cumprir a sua vontade. Mesmo assim, a obra de DEUS dentro de nós não é de compulsão, nem de graça irresistível. A obra da graça dentro de nós (1.6; 1 Ts 5.24; 2 Tm 4.18; Tt 3.5-7) sempre depende da nossa fidelidade e cooperação (vv. 12,14-16)
2.15 GERAÇÃO CORROMPIDA E PERVERSA. JESUS e os apóstolos enfatizaram que o mundo em que vivemos é uma "geração incrédula e perversa" (Mt 17.17; cf. 12.39; At 2.40). O povo deste mundo tem mentalidade errada, valores distorcidos, critérios imorais de vida e rejeitam as normas e padrões da Palavra de DEUS. Os filhos de DEUS devem separar-se do mundo e ser inculpáveis, puros de coração e irrepreensíveis, a fim de proclamarem ao mundo perdido a gloriosa redenção em CRISTO (Cf. 1 Jo 2.15).
2.17 E, AINDA QUE SEJA OFERECIDO... SOBRE O SACRIFÍCIO. O amor e a solicitude de Paulo pelos Filipenses era tão grande, que ele estava disposto a dar a sua vida por eles, como se fosse uma oferenda a DEUS. (1) Paulo não lastimaria; antes se regozijaria como a vítima do sacrifício, se assim os Filipenses passassem a ter mais fé em CRISTO e mais amor a Ele (cf. 2 Tm 4.6). 
(2) Já que Paulo tinha tamanho amor sacrifical pelos seus filhos espirituais na fé, que sacrifícios e sofrimentos devemos estar dispostos a enfrentar em prol da fé dos nossos próprios filhos? Para que nossos filhos tenham uma vida inteiramente dedicada ao Senhor, se necessário for, devemos dar até a nossa vida como oferta ao Senhor que cita quinze passos que os pais devem observar para levar seus filhos a uma vida de piedade em CRISTO)
2.19 TIMÓTEO. Timóteo era um bom exemplo do que um ministro e missionário de DEUS deve ser. Era um estudante zeloso e obediente à Palavra de DEUS (2 Tm 3.15); um servo perseverante e digno de CRISTO (1 Ts 3.2); um homem de boa reputação (At 16.2), amado e fiel (1 Co 4.17), com solicitude genuína pelo próximo (v. 20), fidedigno (2 Tm 4.9,21) e dedicado a Paulo e ao evangelho (v. 22; Rm 16.21).
2.21 PORQUE TODOS BUSCAM O QUE É SEU. Há pastores que pregam, ensinam, pastoreiam ou escrevem, não com solicitude genuína pela propagação do evangelho, mas visando aos seus próprios interesses, honra, glória e prestígio. Ao invés de procurarem agradar ao Senhor JESUS, procuram agradar aos homens e conquistar o favor deles (1.15; 2.20,21; 2 Tm 4.10,16). Tais pastores não são verdadeiros servos do Senhor.

capítulo 3
3.2 CÃES... MAUS OBREIROS... CIRCUNCISÃO. A maior provação de Paulo era a tristeza que sentia e experimentava por causa dos que distorciam o evangelho de CRISTO. Seu amor a CRISTO, à igreja e à verdade redentora, era tão forte que o levou a opor-se energicamente àqueles que pervertiam a doutrina pura, e a descrevê-los como "cães" e "maus obreiros" (ver 1.17; Gl 1.9; cf. Mt 23). O termo grego "circuncisão", como é empregado por Paulo aqui, significa "mutiladores do corpo" e refere-se ao rito da circuncisão segundo o ensino dos falsos mestres judaizantes, afirmando que o sinal da circuncisão conforme o AT era necessário à salvação. Paulo declara que a verdadeira circuncisão é uma obra do ESPÍRITO no coração da pessoa, pela qual o pecado e o mal são cortados (v. 3; Rm 2.25-29; Cl 2.11).
3.8-11 PARA QUE POSSA GANHAR A CRISTO. Estes versículos revelam o coração do apóstolo e a essência do cristianismo. O maior anseio na vida de Paulo era conhecer a CRISTO e experimentar de modo mais íntimo sua comunhão e presença. Nessa busca vemos os seguintes aspectos: (1) Conhecer a CRISTO pessoalmente, bem como a seus caminhos, sua natureza e caráter, segundo a revelação da Palavra de DEUS. O verdadeiro conhecimento de CRISTO envolve ouvirmos a sua palavra, seguirmos o seu ESPÍRITO, atendermos a seus impulsos com fé, verdade e obediência, e identificar-nos com seus interesses e propósitos. (2) Ser achado em CRISTO (v. 9), i.e., ser unido e ter comunhão com Ele produz a justiça que somente é experimentada como dom de DEUS (1.10,11; 1 Co 1.30). (3) Conhecer o poder da sua ressurreição (v. 10), i.e., experimentar a renovação da vida espiritual, o livramento do poder do pecado (Rm 5.10; 6.4; Ef 2.5,6) e o poder do ESPÍRITO SANTO para levar a efeito um testemunho eficaz, a cura, os milagres e, finalmente, a nossa própria ressurreição dentre os mortos (v. 11; Ef 1.18-20). (4) Compartilhar das aflições de CRISTO mediante a abnegação, a crucificação da carne e o sofrimento por amor a CRISTO e à sua causa (cf. 1.29; At 9.16; Rm 6.5,6; 1 Co 15.31; 2 Co 4.10; Gl 2.20; Cl 1.24; 4.13)
3.9 A JUSTIÇA QUE VEM DE DEUS. A justiça do crente consiste, em primeiro lugar, em ser perdoado do pecado, justificado e aceito por DEUS, mediante a fé (ver Rm 4.5). (1) Nossa justiça, no entanto, é mais do que isso. A Palavra de DEUS declara que nossa justiça é CRISTO, o próprio Senhor JESUS, habitando em nosso coração (cf. 1.20,21; Rm 8.10; 1 Co 1.30; Gl 2.20; Ef 3.17; Cl 3.4); no AT o Messias é referido como o "Renovo justo" e "O SENHOR Justiça nossa" (ver Jr 23.5,6). Noutras palavras, a justiça que possuímos não é de nós mesmos, mas de JESUS, em quem colocamos a nossa fé (1 Co 1.30; Gl 2.20). Mediante a presença dEle em nós, tornamo-nos nEle "justiça de DEUS" (ver 2 Co 5.21). (2) O fundamento da nossa salvação e nossa única esperança de justificação é a morte sacrificial de CRISTO e seu sangue derramado no Calvário (Rm 3.24; 4.25; 5.9; 8.3,4; 1 Co 15.3; Gl 1.4; 2.20; Ef 1.7; Hb 9.14; 1 Pe 1.18,19; 1 Jo 4.10) e sua vida ressurreta dentro do nosso coração (ver Rm 4.22; Rm 4.25; 5.9,10; 8.10,11; Gl 2.20; Cl 3.1-3; ver Rm 4.22).
3.13 UMA COISA FAÇO. Paulo se acha qual um atleta numa corrida (cf. Hb 12.1), esforçando-se e correndo o máximo, totalmente concentrado no que faz, a fim de não ficar aquém do alvo que CRISTO estabeleceu para a sua vida. Esse alvo era a perfeita união entre Paulo e CRISTO (vv. 8-10), sua salvação final e sua ressurreição dentre os mortos (v. 11). (1) Era essa a motivação da vida de Paulo. Recebera um vislumbre da glória do céu (2 Co 12.4) e resolvera que sua vida inteira, pela graça de DEUS, estaria voltada para a resolução de avançar com toda determinação e finalmente chegar ao céu e ver CRISTO face a face (cf. 2 Tm 4.8; Ap 2.10; 22.4). (2) Semelhante determinação é necessária a todos nós. No decurso da nossa vida, há todos os tipos de distrações e tentações, tais como os cuidados deste mundo, as riquezas e os desejos ímpios, que ameaçam sufocar nossa dedicação ao Senhor (cf. Mc 4.19; Lc 8.14). Necessário é esquecer-se das "coisas que atrás ficam", i.e., o mundo iníquo e nossa velha vida de pecado (cf. Gn 19.17,26; Lc 17.32), e avançar para as coisas que estão adiante, a salvação completa e final em CRISTO.
3.18 INIMIGOS DA CRUZ DE CRISTO. Esses inimigos eram, segundo a melhor interpretação, crentes professos que estavam corrompendo o evangelho com suas vidas imorais e falsos ensinos. Uma das razões da grandeza de Paulo era que ele possuía convicções firmes, cujo coração ficava muito intranqüilo quando o evangelho era distorcido ou quando as pessoas a quem ele ministrava corriam perigo de deixar a fé (ver 3.2; Gl 1.9)
3.20 NOSSA CIDADE ESTÁ NOS CÉUS. O termo "cidade" aqui (gr. politeuma) significa "cidadania" ou "pátria". Paulo ressalta que os cristãos já não são cidadãos deste mundo: tornaram-se estranhos e peregrinos na terra (Rm 8.22-24; Gl 4.26; Hb 11.13; 12.22,23; 13.14; 1 Pe 1.17; 2.11). (1) No que diz respeito ao nosso comportamento, valores e orientação na vida, o céu é agora a nossa cidade. Nascemos de novo (Jo 3.3); nossos nomes estão registrados nos livros do céu (4.3); nossa vida está orientada por padrões celestiais, e nossos direitos e herança estão reservados no céu. (2) É para o céu que nossas orações sobem (2 Cr 6.21; 30.27) e para onde nossa esperança está voltada. Muitos dos nossos amigos e familiares já estão lá, e nós também estaremos ali dentro em breve. JESUS também está ali, preparando-nos um lugar. Ele prometeu voltar e nos levar para junto dEle (ver Jo 14.2,3 notas; cf. Jo 3.3; 14.1-4; Rm 8.17; Ef 2.6; Cl 3.1-3; Hb 6.19,20; 12.22-24; 1 Pe 1.4,5; Ap 7.9-17). Por essas razões, desejamos profundamente uma cidade melhor, ou seja: a cidade celestial. Por isso, DEUS não se envergonha de ser chamado nosso DEUS, e Ele já nos preparou uma cidade eterna (Hb 11.16)

capítulo 4
4.4 REGOZIJAI-VOS... NO SENHOR. O crente deve regozijar-se e fortalecer-se, meditando na graça do Senhor, sua presença e promessas (ver 1.4).
4.5 PERTO ESTÁ O SENHOR. Devemos crer que o Senhor poderá voltar a qualquer momento. A perspectiva do NT é de que a volta de JESUS é iminente (ver Lc 12.35-40); logo, devemos estar prontos, trabalhando e vigiando em todo tempo (Mt 24.36; 25.1-13; Rm 13.12-14).
4.6 NÃO ESTEJAIS INQUIETOS POR COISA ALGUMA. O melhor remédio para a preocupação é a oração, e isto pelas seguintes razões: (1) Mediante a oração, renovamos nossa confiança na fidelidade do Senhor, ao lançarmos nossas ansiedades e problemas sobre aquEle que tem cuidado de nós (Mt 6.25-34; 1 Pe 5.7). (2) A paz de DEUS vem guardar nossos corações e mentes, como resultado da nossa comunhão com CRISTO JESUS (vv. 6,7; Is 26.3; Cl 3.15). (3) DEUS nos fortalece, para fazermos todas as coisas que Ele quer que façamos (v. 13; 3.20; Ef 3.16). (4) Recebemos misericórdia, graça e ajuda em tempos de necessidade (Hb 4.16). (5) Temos certeza de que todas as coisas que DEUS permite que nos aconteçam concorrerão para o nosso bem (ver v. 11; Rm 8.28).
4.7 A PAZ DE DEUS GUARDARÁ OS VOSSOS CORAÇÕES. Quando invocamos a DEUS, com um coração posto em CRISTO e na sua Palavra (Jo 15.7), a paz de DEUS transborda em nossa alma aflita. (1) Essa paz consiste em uma tranqüilidade interior, que o ESPÍRITO SANTO nos transmite (Rm 8.15,16). Envolve uma firme convicção de que JESUS está perto, e que o amor de DEUS estará ativo em nossa vida continuamente. (Rm 8.28,32; cf. Is 26.3). (2) Quando colocamos diante de DEUS, em oração, as nossas inquietações, essa paz ficará como guarda à porta de nosso coração e de nossa mente, para impedir que os cuidados e angústias perturbem-nos a vida e a esperança em CRISTO (v. 6; Is 26.3,4,12; 37.1-7; Rm 8.35-39; 1 Pe 5.7). (3) Se o medo e a ansiedade retornarem, novamente a oração, a súplica e a ação de graças nos trarão a paz de DEUS que guarda os nossos corações. Voltaremos a sentir segurança, e nos regozijaremos no Senhor (v. 4)
4.8 TUDO O QUE É PURO. O crente deve fixar sua mente nas coisas verdadeiras, puras, justas, santas, etc. Que essa é uma condição prévia para experimentarmos a paz de DEUS e o livramento da ansiedade, fica claro no versículo 9. Se assim fizermos, "o DEUS de paz será convosco". O resultado de fixar nossas mentes nas coisas do mundo será a perda da alegria, da presença íntima e da paz de DEUS e, nossos corações sem proteção.
4.11 APRENDI A CONTENTAR-ME. O segredo do contentamento, da satisfação, é reconhecermos que DEUS nos concede, em cada circunstância, tudo quanto necessitamos para uma vida vitoriosa em CRISTO (1 Co 15.57; 2 Co 2.14; 1 Jo 5.4). Nossa capacidade de viver vitoriosamente acima das situações instáveis da vida provém do poder de CRISTO que flui em nós e através de nós (v. 13; ver 1 Tm 6.8). Isso não ocorre de modo natural; precisamos aprender na dependência de CRISTO.
4.13 POSSO TODAS AS COISAS NAQUELE... O poder e a graça de CRISTO permanecem no crente para capacitá-lo a fazer tudo quanto Ele o mandou fazer.
4.16 MANDASTES O NECESSÁRIO. A igreja Filipense era uma igreja missionária, que supria as necessidades de Paulo durante suas viagens (1.4,5; 4.15-17). Sustentar os missionários no seu trabalho em prol do evangelho, é obra dignificante e aceita por DEUS, "como cheiro de suavidade e sacrifício agradável e aprazível" a Ele (v. 18). Por isso, aquilo que damos para o sustento do missionário fiel, é considerado oferta apresentada a DEUS. Tudo que é feito a um dos irmãos, por pequeno que seja, é feito como ao próprio Senhor (Mt 25.40).
4.19 SUPRIRÁ TODAS AS VOSSAS NECESSIDADES. Paulo enfatiza o cuidado amoroso de DEUS Pai pelos seus filhos. Ele suprirá todas as nossas necessidades (materiais e espirituais), à medida que as apresentarmos diante dEle. O suprimento das nossas necessidades vem "por CRISTO JESUS". Somente em união com CRISTO e na comunhão com Ele é que podemos experimentar o provimento da parte de DEUS. Entre as muitas promessas das Escrituras que confere esperança e encorajamento ao povo de DEUS, no tocante ao seu cuidado, provisão e socorro, temos: Gn 28.15; 50.20; Êx 33.14; Dt 2.7; 32.7-14; 33.27; Js 1.9; 1 Sm 7.12; 1 Rs 17.6,16; 2 Cr 20.17; Sl 18.35; 23; 121; Is 25.4; 32.2; 40.11; 41.10; 43.1,2; 46.3,4; Jl 2.21-27; Ml 3.10; Mt 6.25-34; 14.20; 23.37; Lc 6.38; 12.7; 22.35; Jo 10.27,28; 17.11; Rm 8.28,31-39; 2 Tm 1.12; 4.18; 1 Pe 5.7.


RESUMO DAS LIÇÕES DO 3º TRIMESTRE DE 2013

LIÇÃO 1 - PAULO E A IGREJA EM FILIPOS
I. INTRODUÇÃO À EPÍSTOLA 
1. A cidade de Filipos. 
2. O Evangelho chega à Filipos. 
3. Data e local da autoria.
II. AUTORIA E DESTINATÁRIOS
1. Paulo e Timóteo. 
2. Os destinatários da carta: "todos os santos". 
3. Alguns destinatários distintos: "bispos e diáconos". 
III. AÇÃO DE GRAÇAS E PETIÇÃO PELA IGREJA DE FILIPOS (1.3-11)
1. As razões pela ação de graças. 
2. Uma oração de gratidão (vv.3-8). 
3. Uma oração de petição (vv.9-11).
a) Que o vosso amor aumente mais e mais em ciência e em todo o conhecimento (v.9). 
b) Para que aproveis as coisas excelentes para que sejais sinceros e sem escândalo algum até ao Dia de CRISTO (v.10). 
c) Cheios de frutos de justiça (v.11).

LIÇÃO 2 - ESPERANÇA EM MEIO À ADVERSIDADE
I. ADVERSIDADE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO 
1. Paulo na prisão.
2. Uma porta se abre através da adversidade. 
II. O TESTEMUNHO DE PAULO NA ADVERSIDADE (1.12,13) 
1. O poder do Evangelho.
2. A preocupação dos Filipenses com Paulo.
3. Paulo rejeita a auto-piedade. 
III. MOTIVAÇÕES PARA A PREGAÇÃO DO EVANGELHO (1.14-18) 
1. A motivação positiva.
2. A motivação negativa. 
IV. O DILEMA DE PAULO (1.19-22ss.) 
1. Viver para CRISTO.
2. Paulo supera o dilema. "Estar com CRISTO" e "viver na carne".  

LIÇÃO 3 - O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO
I. O COMPORTAMENTO DOS CIDADÃOS DO CÉU (1.27)  
1. O crente deve "portar-se dignamente".
2. Para que os outros vejam.
3. A autonomia da vida espiritual.   
II. O COMPORTAMENTO ANTE A OPOSIÇÃO (1.28-30) 
1. O ataque dos falsos obreiros. 
2. O objetivo dos falsos obreiros.
3. Padecendo por CRISTO.  
III. PROMOVENDO A UNIDADE DA IGREJA (2.1-4) 
1. O desejo de Paulo pela unidade.
a) Consolação de amor, comunhão no ESPÍRITO e entranháveis afetos e compaixões.
b) Mesmo amor, mesmo ânimo e sentindo uma mesma coisa. 
2. O foco no outro como em si mesmo.
3. Não ao individualismo.  

LIÇÃO 4 - JESUS, O MODELO IDEAL DE HUMILDADE
I. O FILHO DIVINO: O ESTADO ETERNO DA PRÉ-ENCARNAÇÃO (2.5,6) 
1. Ele deu o maior exemplo de humildade.
2. Ele era igual a DEUS
3. Mas "não teve por usurpação ser igual a DEUS" (v.6). 
II. - O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO (2.7,8) 
1. "Aniquilou-se a si mesmo" (2.7). 
2. Ele "humilhou-se a si mesmo" (2.8).
3. Ele foi "obediente até a morte e morte de cruz" (2.8). 
III. A EXALTAÇAO DE CRISTO (2.9-11) 
1. "DEUS o exaltou soberanamente" (2.9).
2. Dobre-se todo joelho.
3. "Toda língua confesse" (v.11).

LIÇÃO 5 – AS VIRTUDES DOS SALVOS EM CRISTO
I. A DINÂMICA DA SALVAÇÃO (2.12,13) 
1. O caráter dinâmico da salvação.
2. DEUS é a fonte da vida.
3. A bondade divina. 
II. OPERANDO A SALVAÇÃO COM TEMOR E TREMOR (2.12-16) 
1. "Fazei todas as coisas sem murmurações nem contendas".
a) Murmurações. 
b) Contendas.
2. "Sejais irrepreensíveis e sinceros".
3. "Retendo a palavra da vida".
III. A SALVAÇÃO OPERA O CONTENTAMENTO E A ALEGRIA (2.17,18) 
1. O contentamento da salvação operada. 
2. A alegria do povo de DEUS.

LIÇÃO 6 - A FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR
I. - A PREOCUPAÇÃO DE PAULO COM A IGREJA
1. Paulo, um líder comprometido com o pastorado.
2. Paulo, o mentor de novos obreiros. 
3. Paulo, um líder que amava a igreja. 
II. O ENVIO DE TIMÓTEO À FILIPOS (2.19-24)
1. Paulo dá testemunho por Timóteo.
2. O modelo paulino de liderança. Timóteo, Epafrodito e Tito
3. As qualidades de Timóteo (2.20-22). 
III. - EPAFRODITO, UM OBREIRO DEDICADO (2.25-30)
1. Epafrodito, um mensageiro de confiança.
2. Epafrodito, um verdadeiro missionário.
3. Paulo envia Epafrodito.

LIÇÃO 7 - A ATUALIDADE DOS CONSELHOS PAULINOS
I. A ALEGRIA DO SENHOR 
1. Regozijo espiritual.
2. Exortação ao regozijo.
3. Alegria em meio às preocupações e aflição.
II. A TRÍPLICE ADVERTÊNCIA CONTRA OS INIMIGOS (3.2-4) 
1. "Guardai-vos dos cães".
2. "Guardai-vos dos maus obreiros". 
3. "Guardai-vos da circuncisão".
III. A VERDADEIRA CIRCUNCISÃO CRISTÃ (3.3)
1. A circuncisão no Antigo Testamento. 
2. A verdadeira circuncisão não deixa marcas físicas.
3. A verdadeira circuncisão não confia na carne (3.3-7).

LIÇÃO 8 – A SUPREMA ASPIRAÇÃO DO CRENTE
I. A ASPIRAÇÃO PAULINA 
1. "Prossigo para o alvo".
2. O sentimento de incompletude de Paulo.
3. O engano da presunção espiritual.
II. A MATURIDADE ESPIRITUAL DOS FILIPENSES (3.15,16)
1. Somos perfeitos (3.15)? 
2. O cristão deve andar conforme a maturidade alcançada (3.16).
3. Exemplo a ser imitado (3.17).
III. A ASPIRAÇÃO CRISTÃ HOJE 
1. A atualidade do desejo paulino. 
2. O cristão deve almejar a maturidade espiritual. 
3. Rejeitando a fantasia da falsa vida cristã.

LIÇÃO 9 - CONFRONTANDO OS INIMIGOS DA CRUZ DE CRISTO
I. EXORTAÇÃO À FIRMEZA EM CRISTO (3.17)
1. Imitando o exemplo de Paulo (v.17a).
2. O exemplo de outros obreiros fiéis (v.17b).
3. Tendo outro estilo de vida. 
II. OS INIMIGOS DA CRUZ DE CRISTO (3.18,19)
1. Os inimigos da cruz (v.18).
2. "O deus deles é o ventre" (3.19).
3. "A glória deles" (3.19).
III. - O FUTURO GLORIOSO DOS QUE AMAM A CRUZ DE CRISTO (3.20,21)
1. "Mas a nossa cidade está nos céus" 
2. "Que transformará o nosso corpo abatido" (Fp 3.21). 
3. Vivendo em esperança.

LIÇÃO 10 - A ALEGRIA DO SALVO EM CRISTO
I. EXORTAÇÃO À ALEGRIA E FIRMEZA DA FÉ (4.1-3)
1. A alegria de Paulo. 
2. A alegria nas relações fraternas. 
3. A alegria de ter os nomes escritos no Livro da Vida. 
II. A ALEGRIA DIVINA SUSTENTA A VIDA CRISTÃ (4.4,5)
1. Alegria permanente no Senhor. 
2. Uma alegria cuja fonte é CRISTO.
3. Uma alegria que produz moderação.  
III. A SINGULARIDADE DA PAZ DE DEUS (4.6,7)
1. A alegria desfaz a ansiedade e produz a paz.
2. Uma paz que excede todo o entendimento. 
3. Uma paz que guarda o coração e os sentimentos do crente.

LIÇÃO 11 - UMA VIDA CRISTÃ EQUILIBRADA
I. A EXCELÊNCIA DA MENTE CRISTà
1. Nossos pensamentos. 
2. Pensando nas coisas eternas.
3. Agindo sabiamente. 
II. O QUE DEVE OCUPAR A MENTE DO CRISTÃO (4.8)
1. "Tudo o que é verdadeiro e honesto".
2. "Tudo o que é justo".
3. "Tudo o que é puro e amável". 
4. "Tudo o que é de boa fama".
III. A CONDUTA DE PAULO COMO MODELO (4.9)
1. Paulo, uma vida a ser imitada. 
2. Paulo, exemplo de ministro.
3. O DEUS de paz.

LIÇÃO 12 - A RECIPROCIDADE DO AMOR CRISTÃO
I. AS OFERTAS DOS FILIPENSES COMO PROVIDÊNCIA DIVINA 
 1. Paulo agradece aos Filipenses. 
 2. Reciprocidade entre o apóstolo e a igreja.
 3. A igreja deve cuidar dos seus obreiros. 
 II. O CONTENTAMENTO EM CRISTO EM QUALQUER SITUAÇÃO 
 1. O contentamento de Paulo. 
 2. "Sei estar abatido" (v.12). 
 3. O contentamento desfaz os extremismos. 
 III. A PRINCIPAL FONTE DO CONTENTAMENTO (4.13)
 1. CRISTO é quem fortalece.
 2. CRISTO é a razão do contentamento.
 3. O cumprimento da missão como fonte de contentamento.

LIÇÃO 13 - O SACRIFÍCIO QUE AGRADA A DEUS
I. A PARTICIPAÇÃO DA IGREJA NAS TRIBULAÇÕES DE PAULO (4.14) 
1. Os filipenses tomam parte nas aflições do apóstolo.
2. O exemplo da igreja após o Pentecostes.
3. O padrão de amor para a Igreja. 
II. REMINISCÊNCIA: O ATO DE DAR E RECEBER (4.15-17)
1. Paulo relembra o apoio dos filipenses.
2. O necessário para viver.
3. "Não procuro dádivas".
III. A OBLAÇÃO DE AMOR E SAUDAÇÕES FINAIS (4.18-23)
1. A oblação no Antigo Testamento. 
2. A oblação e a generosidade dos filipenses.
3. Doxologia.  


OBJETIVOS - Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
Introduzir a Epístola aos Filipenses destacando a cidade, a data e o local da autoria. 
Explicar o propósito, a autoria e os destinatários da epístola. 
Compreender os atos de oração e ação de graças do apóstolo Paulo.

RESUMO DA LIÇÃO 1 - PAULO E A IGREJA EM FILIPOS
I. INTRODUÇÃO À EPÍSTOLA 
1. A cidade de Filipos. 
2. O Evangelho chega à Filipos. 
3. Data e local da autoria.
II. AUTORIA E DESTINATÁRIOS
1. Paulo e Timóteo. 
2. Os destinatários da carta: "todos os santos". 
3. Alguns destinatários distintos: "bispos e diáconos". 
III. AÇÃO DE GRAÇAS E PETIÇÃO PELA IGREJA DE FILIPOS (1.3-11)
1. As razões pela ação de graças. 
2. Uma oração de gratidão (vv.3-8). 
3. Uma oração de petição (vv.9-11).
a) Que o vosso amor aumente mais e mais em ciência e em todo o conhecimento (v.9). 
b) Para que aproveis as coisas excelentes para que sejais sinceros e sem escândalo algum até ao Dia de CRISTO (v.10). 
c) Cheios de frutos de justiça (v.11). 

SINOPSE DO TÓPICO (1) Após chegar numa cidade gentílica, o apóstolo Paulo dirigia-se a uma sinagoga judaica para evangelizar.
SINOPSE DO TÓPICO (2) Apesar de Timóteo aparecer como o co-autor da carta, a autoria da epístola é do apóstolo Paulo.
SINOPSE DO TÓPICO (3) A atitude de ação de graças e petição pela igreja de Filipos é o tema que predomina na introdução da epístola.

VOCABULÁRIO
Colônia: Grupo de migrantes que se estabelecem em terra estranha. Ou lugar onde se estabelece quaisquer migrantes.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ARRINGTON, French L.; STRONSTAD, Roger (Eds.). Comentário Bíblico Pentecostal: Novo Testamento. 4.ed. Vol. 2, Rio de Janeiro: CPAD, 2009.
STAMPS, Donald C (Ed.). Bíblia de Estudo Pentecostal: Antigo e Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 1995.
SAIBA MAIS - Revista Ensinador Cristão CPAD - nº 55, p.36.

QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 1 - PAULO E A IGREJA EM FILIPOS
Responda conforme a revista da CPAD do 3º Trimestre de 2013 - FILIPENSES
Complete os espaços vazios e marque com "V" as respostas verdadeiras e com "F" as falsas

TEXTO ÁUREO
1- Complete:
"E peço isto: que o vosso ________________________ aumente mais e mais em _________________________________ e em todo o _____________________________________" (Fp 1.9).

VERDADE PRÁTICA
2- Complete:
Paulo tinha uma grande _____________________________________ pelos irmãos de Filipos; por isso suas ________________________________ e ações de _______________________________ por essa igreja eram constantes.

COMENTÁRIO - INTRODUÇÃO
3- Neste trimestre, estudaremos a Epístola de Paulo aos Filipenses. O que é esta carta?
(    ) É uma declaração de amor e gratidão do apóstolo pelo amoroso zelo dos Filipenses para com os obreiros do Senhor.
(    ) A epístola está classificada no grupo das cartas da prisão - Filipenses, Filemon, Colossenses e Efésios.

I. INTRODUÇÃO À EPÍSTOLA 
4- Onde situa-se a cidade de Filipos e por quem foi fundada? Quais as principais cidades dessa região?
(    ) Localizada no Norte da Macedônia e da Inglaterra, foi fundada por Filipe I.
(    ) Localizada no Norte da Grécia, foi fundada por Filipe II.
(    ) Outras cidades como Anfípolis, Apolônia, Tessalônica e Bereia também faziam parte daquela região.
(    ) Filipos, porém, era uma colônia romana e um importante centro mercantil, pois estava situada no cruzamento das rotas comerciais entre a Europa e a Ásia.

5- Como, e através de quem, o Evangelho chegou a Filipos?
(    ) Por volta do ano 50 d.C., o apóstolo Pedro, acompanhado por João, empreendeu uma viagem missionária a esta região, depois, dois anos mais tarde Paulo ali esteve e confirmou essa igreja..
(    ) Por volta do ano 52 d.C., o apóstolo Paulo, acompanhado por Silas e Timóteo, empreendeu uma segunda viagem missionária..
(    ) Ao entrar numa cidade estrangeira, a estratégia usada por Paulo para anunciar o Evangelho era sempre a mesma: dirigir-se em primeiro lugar a uma sinagoga.
(    ) Ali, o apóstolo esperava encontrar judeus dispostos a ouvi-lo. Mas, na sinagoga de Filipos, havia uma comunidade não muito inclinada a escutá-lo.
(    ) Por isso, Paulo concentrou-se num lugar público e informal para falar a homens e mulheres desejosos por discutir assuntos religiosos. 
(    ) Lá, o apóstolo encontrou Lídia, de Tiatira, uma comerciante que negociava púrpura.
(    ) Ela se converteu a CRISTO e levou o primeiro grupo de cristãos de Filipos a congregar-se em sua casa.
(    ) No lar da irmã Lídia, a igreja começou a florescer.

6- Qual a data e local da autoria da epístola aos Filipenses e em que circunstâncias isso ocorreu?
(    ) Apesar das dificuldades para se referendar a data e o local da Epístola aos Filipenses, os especialistas em Novo Testamento dizem que a carta foi redigida entre os anos 60 e 63 d.C..
(    ) Provavelmente em Éfeso ou Corinto.
(    ) Provavelmente em Roma.
(    ) Na ocasião, o apóstolo Paulo estava encarcerado numa prisão, e recebeu a visita de um membro da igreja em Filipos, chamado Epafrodito.
(    ) Epafrodito chegara a ficar gravemente adoentado, "mas DEUS se apiedou dele" que, agora recuperado, acabou por levar a mensagem do apóstolo aos Filipenses.

II. AUTORIA E DESTINATÁRIOS 
7- De quem é a autoria da carta aos Filipenses?
(    ) O nome de Timóteo aparece juntamente com o de Paulo na introdução da epístola aos Filipenses.
(    ) O nome de Paulo aparece juntamente com o de Timóteo na introdução da epístola aos Filipenses, parece que Paulo ajudou a Timóteo na redação desta carta.
(    ) Apesar de Timóteo ser apresentado como co-autor da carta, a autoria principal pertence ao apóstolo Paulo.
(    ) Este certamente tratou com Timóteo, seu discípulo, os assuntos expostos na carta.
(    ) O apóstolo Paulo também não desfrutava de boa saúde, e este fato fazia com que dependesse constantemente da ajuda de um auxiliar na composição de seus escritos.

8- Quais os destinatários da carta aos Filipenses?
(    ) Paulo chama os cristãos de Filipos de "crentes" (v. 1).
(    ) Paulo chama os cristãos de Filipos de "santos" (v. 1).
(    ) Salvos são aqueles que foram salvos e separados, por DEUS, para viver uma nova vida em CRISTO.
(    ) Salvos - Este era o tratamento comum dado por Paulo às igrejas.
(    ) Quando o apóstolo dos gentios usa a expressão "em CRISTO JESUS", ele quer ilustrar a relação íntima dos crentes com o CRISTO de DEUS - semelhante ao recurso usado por JESUS quando da ilustração da "videira e os ramos". 

9- Quais eram os destinatários distintos da carta aos Filipenses?
(    ) A distinção entre "bispos e diáconos" expressa a preocupação paulina quanto à liderança espiritual da igreja.
(    ) O modelo de liderança adotado pelas igrejas do primeiro século funcionava assim: os "bispos" eram responsáveis pelas necessidades espirituais da igreja local e os "diáconos" pelo serviço à igreja sob a supervisão dos bispos.
(    ) O modelo de liderança adotado pelas igrejas do primeiro século funcionava assim: os "bispos" eram responsáveis pelas necessidades materiais da igreja local e os "diáconos" pelo serviço espiritual à igreja sob a supervisão dos bispos.

III. AÇÃO DE GRAÇAS E PETIÇÃO PELA IGREJA DE FILIPOS (1.3-11)
10- Por que Paulo fazia ação de graças pela Igreja de Filipos?
(    ) "Dou graças ao meu DEUS todas as vezes que me lembro de vós" (v.3).
(    ) A razão de o apóstolo Paulo lembrar-se dos Filipenses nas suas orações, e alegrar-se por isto, foi a compaixão deles para com o apóstolo quando da sua prisão, defesa e confirmação do Evangelho.
(    ) A razão de o apóstolo Paulo lembrar-se dos Filipenses nas suas orações, e alegrar-se por isto, foi a compaixão deles para com o apóstolo quando da sua prisão em Éfeso e em Corinto.
(    ) Esta lembrança fortalecia Paulo na sua solidão, pois, apesar de estar longe fisicamente dos Filipenses, aproximava-se deles pela oração, onde não há fronteiras.

11- Cite uma oração de gratidão (vv.3-8) de Paulo à Igreja Filipense: Complete: 
Paulo lembra a experiência ____________________________ sofrida juntamente com Silas em Filipos (v.7). Eles foram arrastados à presença das autoridades, açoitados em público, condenados sumariamente e jogados no ________________________________, tendo os pés atados ao tronco (At 16.19,23,24). Essa dura experiência fez o apóstolo recordar o grande ____________________________ de DEUS concedido a ele, a Silas e ao carcereiro (At 16.27-33). Os Filipenses participaram das ____________________________ do apóstolo e proveram-no, inclusive, de recursos _____________________________ (4.15-18), ao passo que os coríntios fecharam-lhe as _______________________________ (1 Co 9.8-12). Por isso, quando lemos a Epístola aos Filipenses percebemos o amor, a amizade e a grande _____________________________ que Paulo nutria para com aquela igreja (v.8). 

12- Após agradecer a DEUS pelos Filipenses, o apóstolo passa a rogar a DEUS por eles: Complete:
a) Que o vosso amor aumente mais e mais em ciência e em todo o conhecimento (v.9). O desejo do apóstolo é que o amor cresça e se desenvolva de modo mais _______________________________, levando cada crente em Filipos a ter um maior __________________________________ de CRISTO. b) Para que aproveis as coisas ___________________________________ para que sejais sinceros e sem _______________________ algum até ao Dia de CRISTO (v.10). Paulo intercedia pelos Filipenses, pedindo ao Senhor que lhes concedesse a capacidade de ________________________________ entre o certo e o errado. Esta capacidade fará do crente uma pessoa sincera e sem _______________________________ até a volta do Senhor. c) Cheios de frutos de ___________________________________ (v.11). O apóstolo desejava que os crentes Filipenses não fossem _____________________________________, mas cheios do fruto da justiça para a glória de DEUS. A justiça que vem de DEUS manifesta-se com perfeição no __________________________________ e nas obras do crente.

CONCLUSÃO
13- Complete:
As ____________________________________ ministeriais na vida do apóstolo Paulo eram ____________________________________ na demonstração de amor das igrejas plantadas por ele. Ao longo deste trimestre, veremos o quanto a igreja de Filipos foi ___________________________________ por aquele que não media esforços nem limites para _________________________________ o Evangelho: o apóstolo Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário