Pesquisa personalizada

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

LIÇÃO 2, A ORAÇÃO NO ANTIGO TESTAMENTO


LIÇÃO 2, A ORAÇÃO NO ANTIGO TESTAMENTO
Lições Bíblicas Aluno - Jovens e Adultos - 4º Trimestre de 2010
O PODER E O MINISTÉRIO DA ORAÇÃO
O relacionamento do cristão com DEUS
Comentários da revista da CPAD: Pr. Eliezer de L. e Silva
Consultor Doutrinário e Teológico da CPAD: Pr. Antonio Gilberto
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
QUESTIONÁRIO
 
 
TEXTO ÁUREO
"Então, os sacerdotes e os levitas se levantaram abençoaram povo; a sua voz foi ouvida, porque a sua oração chegou até à sua santa habitação, aos céus" (2 Cr 30.27).
 
 
VERDADE PRÁTICA
Assim como hoje, a oração no Antigo Testamento era um canal permanente de comunicação entre DEUS e o seu povo.
 
 
LEITURA DIÁRIA
Segunda - Gn 1.28 - O primeiro registro de comunicação entre DEUS e o homem
Terça - Gn 4.26 - A oração em o nome do Senhor inicia com Sete e seu filho
Quarta - Gn 18.23-33 - Abraão intercede a DEUS pelo povo
Quinta - Êx 8.30,31 - Moisés orou, e DEUS lhe respondeu
Sexta - SI 34.6 - Davi clamou a DEUS e foi atendido
Sábado - Jr 1 5.1 5-18,20 - Jeremias, o profeta, é consolado na oração a DEUS
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - 1 Reis 18.31-39
31 - E Elias tomou doze pedras, conforme número das tribos dos filhos de Jacó, ao qual veio a palavra do Senhor, dizendo: Israel será teu nome.32 - E com aquelas pedras edificou altar em nome do Senhor; depois, fez um rego em redor do altar, segundo a largura de duas medidas de semente.33 - Então, armou a lenha, dividiu obezerro em pedaços, e o pôs sobre a lenha,34 - e disse: Enchei de água quatro cântaros derrama sobre holocausto sobre a lenha. E disse: Faze-o segunda vez; e ofizeram segunda vez. Disse ainda: Fazei-o terceira vez; e o fizeram terceira vez,35 - de maneira que a água corria ao redor do altar, ainda até rego encheu de água.36 - Sucedeu, pois, que, oferecendo-se a oferta de manjares, profeta Elias se chegou disse: Senhor, DEUS de Abraão, de Isaque de Israel, manifeste-se hoje que tués DEUS em Israel, que eu sou teu servo, que conforme a tua palavra fiz todas estas coisas.37 - Responde-me, Senhor, responde-me, para que este povo conheça que tu, Senhor, és DEUS que tu fizeste tornar seu coração para trás.38 - Então, caiu fogo do Senhor, consumiu holocausto, a lenha, as pedras, e o pó, ainda lambeu a água que estava no rego.39 - O que vendo todo povo, caiu sobre os seus rostos disse: Só Senhor é DEUS! Só Senhor é DEUS!
 
EXEMPLOS DE ORAÇÃO EFICAZ. A Bíblia está cheia de exemplos de orações que foram poderosas e eficazes.
(1) Moisés fez numerosas orações intercessórias às quais DEUS atendeu, mesmo depois de Ele dizer a Moisés que ia proceder de outra maneira.
(2) Sansão, arrependido, orou pedindo uma última oportunidade de cumprir sua missão máxima de derrotar os filisteus; DEUS atendeu essa oração ao lhe dar forças suficientes para derrubar as colunas do prédio onde os inimigos estavam exaltando o poder dos seus deuses (Jz 16.21-30).
(3) DEUS respondeu às orações de Elias em pelo menos quatro grandes ocasiões; em todas elas redundaram em glória ao DEUS de Israel (17-18; Tg 5.17,18).
1Rs 18.42b-45 “Elias subiu ao cume do Carmelo, e se inclinou por terra, e meteu o seu rosto entre os seus joelhos. E disse ao seu moço: Sobe agora e olha para a banda do mar. E subiu, e olhou, e disse: Não há nada. Então, disse ele: Torna lá sete vezes. E sucedeu que, à sétima vez, disse: Eis aqui uma
pequena nuvem, como a mão de um homem, subindo do mar. Então, disse ele: Sobe e dize a Acabe: Aparelha o teu carro e desce, para que a chuva te não apanhe. E sucedeu que, entretanto, os céus se enegreceram com nuvens e vento, e veio uma grande chuva; e Acabe subiu ao carro e foi para Jezreel”.

A oração é uma comunicação multifacetada entre os crentes e o Senhor. Além de palavras como “oração” e “orar”, essa atividade é descrita como
invocar a Deus (Sl 17.6). Invocar o nome do Senhor (Gn 4.26), clamar ao Senhor (Sl 3.4), levantar nossa alma ao Senhor (Sl 25.1), buscar ao Senhor (Is
55.6), aproximar-se do trono da graça com confiança (Hb 4.16) e chegar perto de Deus (Hb 10.22).

(4) O rei Ezequias adoeceu e Isaías lhe declarou que morreria (2Rs 20.1; Is 38.1). Ezequias, reconhecendo que sua vida e obra estavam incompletas, virou o rosto para a parede e orou intensamente a DEUS para que prolongasse sua vida. DEUS mandou Isaías retornar a Ezequias para garantir a cura e mais quinze anos de vida (2Rs 20.2-6; Is 38.2-6).
Isaías 38.2 Então, virou Ezequias o rosto para a parede e orou ao SENHOR. 3 E disse: Ah! SENHOR, clembra-te, peço-te, de que andei diante de ti em verdade e com coração perfeito e fiz o que era reto aos teus olhos. E chorou Ezequias muitíssimo.
5 Vai e dize a Ezequias: Assim diz o SENHOR, o Deus de Davi, teu pai: Ouvi a tua oração e vi as tuas lágrimas; eis que acrescentarei aos teus dias quinze anos.

(5) Não há dúvida de que Daniel orou ao Senhor na cova dos leões, pedindo para não ser devorado por eles, e DEUS atendeu o seu pedido (Dn 6.10,16-22).
 
A ORAÇÃO NO VELHO TESTAMENTO (Ilúmina Bíblia em CD - Gold).
Adão e Eva, que foram feitos para ter comunhão com Deus, tinham um relacionamento íntimo com ele (Gênesis 2:1-25 ; 3:8). No entanto, quando o Senhor fez a sua aliança com Abraão (Gênesis 15), o relacionamento entre os parceiros na aliança estava aberta de novo. A oração de Abraão por Sodoma e Gomorra (Gênesis 18:23-33) é uma combinação de humildade com persistência e um reconhecimento de sua própria pequinês e inferioridade quando comparado a Deus. O mesmo poderia ser dito quanto a Jacó lutando contra o anjo em Peniel (Gênesis 32:22-31). Mas, humildade e franqueza não podem ser confundidas com familiaridade. A oração bíblica é caracterizada pela realidade que há uma distância entre o Criador e a criatura por causa do pecado humano, transposto somente pela graça de Deus. Nos tempos patriarcais a oração era sempre feita juntamente com sacrifício e obediência. Moisés não era só o líder político de Israel, era também o seu mediador e intercessor apontado divinamente. Ele repetidamente clama pelo nome do Senhor diante das incertezas humanas durante a jornada e também diante da falta de fé e desobediência de seu povo. Clamar o nome do Senhor não é para ser visto como um encanto mas sim como uma lembrança a Deus de quem ele se mostrou ser. (No caso de Moisés, a revelação de Deus veio na presença de uma sarsa ardente). Nessa revelação de si próprio, Deus fez promessas a seu povo, e em oração Moisés lembrava Deus dessas promessas. Moisés não era de maneira nenhuma, o único intercessor. Arão, Samuel, Salomão e Ezequiel estavam entre aqueles que intercediam pelo seu povo.
 
Com a formação do sacerdócio e o estabelecimento do ritual de adoração do tabernáculo, a adoração a Deus parece se caracterizar pela distância. Há poucas indicações que as pessoas oravam a Deus pessoalmente, e - com exceção de Deuteronômio 26:1-15 - não há nada falando sobre oração nas instruções sobre adoração dadas ao povo. No entanto há indicação nos salmos que sacrifício e oração seriam feitos juntos (Salmos 50:7-15; 55:14). Muitos salmos são marcantes pela maneira em que perguntas pessoais são reconhecidas ou mesmo discutidas com Deus até que a pessoa que estava orando chega a uma resolução final do conflito através da oração (Salmo 73:1). Os profetas eram homens que oravam, e parece que a Palavra de Deus vinha a eles através da oração (Isaías 6:5-13; Jeremias 11:20-23). O ministério de Jeremias era caracterizado por tempos de conflito e oração (Jeremias 18:19-23) e por mais tempo tranqüilo de comunhão com Deus (Jeremias 10:23-25). No exílio, com o estabelecimento da sinagoga, a oração corporativa se tornou um elemento na adoração judaica. Depois do exílio havia uma ênfase na espontaneidade na oração (Neemias 2:4; 4:4).
 
O que os homens e mulheres ungidos do Antigo Testamento têm a nos ensinar sobre a oração?
Começamos com a história de Adão e Eva no jardim do Éden.
Nós aprendemos que o início da oração era a de uma simples conversa com DEUS, íntima, abrindo-se honestamente para ELE. Mas o segredo da oração é que ela começa com DEUS, é ELE quem inicia. Adão e Eva, simplesmente levou-nos a uma forma aberta para percebermos isso.
Então, a partir da vida de Abraão, aprendemos que a oração faz a sua legitimidade a partir do caráter e das promessas de DEUS. Oração não é mágica, não é uma forma de simplesmente usar a DEUS para conseguir o que deseja. A oração é, antes, um diálogo com base no que DEUS disse e no que Ele prometeu, é a reivindicação de suas promessas. Isso é o que Abraão nos ensinou em sua grande oração por Sodoma e Gomorra. Na vida de Jacó, então nós aprendemos que a oração requer uma consciência de nosso desamparo humano. DEUS quebrou Jacó para se humilhar até que ele não podia fazer mais nada, então se apegou a DEUS, ai ELE respondeu a sua oração. Oração, portanto, depende de DEUS, completada com nossa atividade ao Seu lado, dependendo completamente do agir de DEUS. Então nós aprendemos com a oração de Moisés que a mesma é feita na dependência dos recursos de DEUS e não em nossos próprios recursos. Aprendemos que mesmo em momentos em que somos pressionados e assediados pelas exigências feitas sobre nós, devemos trazê-las para DEUS, ele nos transforma de guerreiros fracos e medrosos para homens e mulheres de fé.
Nosso estudo sobre Jabez ensinaram-nos que a oração é como um parágrafo de um jornal sobre os problemas comuns da nossa vida. Ele oferece esperança para o desesperado e uma via de escape para aqueles que se sentem enganados, privados, a fim de nos colocar acima dessas circunstâncias.
Através de Samuel, chegamos a uma mulher, cuja oração foi usado por DEUS para trazer à existência o primeiro e, de certa forma o maior dos profetas de Israel, um homem que seria o guia espiritual e mentor dos dois primeiros grandes reis de israel. Refiro-me, naturalmente, à oração de Ana, a mãe de Samuel, encontrado em 1 Samuel 1 e 2. A história é contada para nós, em quatro movimentos simples que giram em torno, por um lado, na dor de Ana, depois na oração que ela fez, então vem a paz sobre ela e, finalmente, o seu louvor.
 
1Sm 1.1 Houve um homem de Rama-taim-Zofim, da montanha de Efraim, cujo nome era Elcana, filho de Jeroão, filho de Eliú, filho de Toú, filho de Zufe, efrateu. 2 E este tinha duas mulheres: o nome de uma era Ana, e o nome da outra, Penina; Penina tinha filhos, porém Ana não tinha filhos.3 Subia, pois, este homem da sua cidade bde ano em ano a adorar e a sacrificar ao SENHOR dos Exércitos, em Siló; e estavam ali os sacerdotes em Siló; e estavam ali os sacerdotes do SENHOR, Hofni e Finéias, os dois filhos de Eli.4 E sucedeu que, no dia em que Elcana sacrificava, cdava ele porções do sacrifício a Penina, sua mulher, e a todos os seus filhos, e a todas as suas filhas.5 Porém a Ana dava uma parte excelente, porquanto ele amava Ana; porém o SENHOR lhe tinha cerrado a madre.
 
Depois de terem comido e bebido em Siló, Ana se levantou. E Eli, o sacerdote, estava sentado no banco ao lado do pilar do templo do senhor. Depois de terem comido e bebido em Siló, Ana se levantou. Ela estava profundamente angustiada e orou ao senhor, e chorou amargamente. E fez um voto e disse: "ó Senhor dos exércitos, se Tu realmente olhar para a aflição da tua serva, e se lembrar, e não esquecer a tua serva, e deres a tua serva um filho, então eu o darei ao senhor todos os dias da sua vida, e a navalha não tocará a sua cabeça".
Como ela se demorava em orar perante o Senhor, Eli observou a sua boca. Como não entendeu que ela estava a orar perante o senhor, Eli não a compreendia. Ana falava no seu coração, seus lábios quase não se moviam, e sua voz não foi ouvida, pelo que Eli a teve por embriagada. E Eli disse a ela: "quanto tempo você vai estar bêbada? Guarde o seu vinho com você." Mas Ana respondeu: "não, meu senhor, eu sou uma mulher, certamente incomodada e angustiada, não tenho costume  de beber vinho, nem bebida forte, mas tenho derramado a minha alma perante o Senhor, não conte a tua serva como uma mulher qualquer. Estive junto a DEUS, falando da minha grande ansiedade e aflição. " (1 sm 1:9-16 rsv).
À primeira vista parece que este é um tipo de oração de barganha de Ana - que ela está se oferecendo para dar o menino de volta para o senhor se o senhor lhe dará primeiro para que ela possa desfrutar dele. É possível ler esse relato dessa maneira, mas, se olharmos de perto, podemos ver o que realmente está acontecendo aqui, pois estou certo que esta não é a primeira vez que Ana tem orado em Siló por um filho. Ao longo de toda sua vida de casada sonhava em ter um filho seu, um menino de amor e carinho, para ensiná-lo a andar, a ler histórias para ele, para vê-lo crescer para a maturidade para se tornar forte, puro, bom moço, o orgulho de sua vida. Ela o queria para si mesma, e ela orou muitas vezes por isso, mas sua oração não foi respondida.
Nesta ocasião, porém, sua oração foi diferente. Tendo orado por anos devido à sua esterilidade e depois de ter pensado profundamente sobre os problemas, ela percebeu pela primeira algo que ela nunca havia conhecido antes. Ela percebeu que as crianças não são apenas para os pais - eles são para o Senhor. Elas são dadas aos pais, emprestado por um tempo, mas a razão pela qual são dadas é para o Senhor usar. Há um versículo na carta de Paulo aos Coríntios, capítulo 6, em que, falando em um contexto diferente, ele diz: "o corpo não é para a prostituição, mas para o Senhor," (1 coríntios 6:13 kjv). Nossos corpos são para que possamos ser usados por DEUS. Certamente isto explica o nascimento de Samuel, um homem de DEUS que nasceu para satisfazer a necessidade de uma nação. Sem dúvida, DEUS havia ensinado Ana profundamente através dessas horas de luta por causa de sua esterilidade, portanto, em grande aflição e com intenso fervor, ela ora para que DEUS lhe dê o que ela queria, um homem para glória e realização dos propósitos de DEUS, e para isso DEUS iria deixá-la ser o instrumento dessa benção.
Agora podemos ler a respeito de uma mudança notável no coração de Ana como diz no verso 17: então Eli respondeu: "vá em paz, e o DEUS de Israel te conceda a petição que você fez para Ele." Então disse Ana: "ache a tua serva graça aos teus olhos." Então a mulher foi o seu caminho e comeu, e o seu semblante já não era triste. (1 Sm 1:17-18) rsv (1 Sm 1:17-18 ra). Imediatamente, "a paz que excede todo o entendimento" (cf, phil 04:07) começou a guardar seu coração e espírito. O nascimento do bebê ocorreu alguns meses mais tarde, mas quando o bebê nasceu, ela o chamou Samuel, que significa "pedido a DEUS." DEUS havia concedido o pedido e houve paz no coração de Ana a partir daquele momento que fez sua oração. Lembremos que ela teve outros filhos depois de Samuel. Este é um belo comentário sobre a bem conhecida passagem de Filipenses 4, onde o apóstolo Paulo nos diz: Não tenha nenhuma ansiedade sobre qualquer coisa, mas em tudo, pela oração e pela súplica, com ações de graças sejam as vossas petições conhecidas diante de DEUS. () rsv fp 4:6 (rsv 04:06 phil). Você pode esperar para ler ", e suas orações serão respondidas" e a paz de DEUS, que excede todo o entendimento [que não pode ser explicada], guardará os vossos corações e mentes [guarda suas emoções] em CRISTO JESUS. () phil 04:07 rsv (rsv 04:07 phil)
isso é o que Ana experimenta aqui na prática. (Fecundidade da oração - por Ray C. Stedman)
 
 
 
Prezado professor, na lição de hoje veremos que a oração está entre as mais antigas práticas da humanidade. primeiro registro de oração no Antigo Testamento encontra-se no livro de Gênesis. Porém, o tema oração permanece em evidência até o livro de Malaquias. A prática da oração está presente em todas as religiões. Todavia, entre todas as criaturas do Senhor, somente o homem tem o privilégio de orar. A oração é o elo entre o Criador a sua principal criação: o homem. Já no Antigo Testamento podemos notar que a oração sempre esteve presente na vida de homens mulheres que possuíam intimidade com o Todo-Poderoso.
 
Objetivos
Descrever a oração no Pentateuco, e nos livros Proféticos e Poéticos.
Explicar o desenvolvimento da oração no Antigo Testamento.
Conscientizar-se de que a oração é o elo entre DEUS e o homem.
 
Professor, reproduza a tabela abaixo no quadro-de-giz ou tire cópias para os alunos. Ela será útil na introdução da lição. Destaque, o desenvolvimento da oração no Antigo Testamento, de acordo com os períodos históricos de Israel: o patriarcal, o monárquico e o profético. Explique aos alunos que tais períodos manifestam-se nas principais divisões do Antigo Testamento: Pentateuco; livros históricos; livros proféticos (além dos livros poéticos conforme tratado na lição). Enfatize o fato de que os protagonistas de cada período oravam a DEUS em quaisquer circunstâncias. Diga ao seu aluno que precisamos cultivar uma vida de oração ao Senhor à luz do exemplo veterotestamentário. Boa aula!
 
 
 
RESUMO DA LIÇÃO 2, A ORAÇÃO NO ANTIGO TESTAMENTO
A oração sempre foi uma prática das pessoas que possuíam intimidade com o Eterno DEUS.
I. A ORAÇÃO NO PENTATEUCO
1. A oração durante o Êxodo de Israel.
2. A gratidão de Israel a DEUS.
3. O esquecimento e a (ingratidão de Israel.
II. A ORAÇÃO E OS PROFETAS
1. A oração como fator decisivo no ministério profético.
2. O profeta Elias.
3. O profeta Eliseu.
III. OS LIVROS POÉTICOS E A ORAÇÃO
1. Jó.
2. Salmos.
3. A experiência de Asafe.
CONCLUSÃO
Homens do passado usufruíram de íntima comunhão com o Criador mediante a oração.
 
 
SINOPSE DO TÓPICO (1)
A oração durante o Êxodo de Israel pode ser dividida em: gratidão a DEUS pela libertação da escravidão do Egito e ingratidão e esquecimento por deixar-se contaminar com outros povos.
SINOPSE DO TÓPICO (2)
As vidas de Elias e Eliseu confirmam a oração como elo entre os profetas do AT e DEUS.
SINOPSE DO TÓPICO (3)
Os livros poéticos de Jó e Salmos mostram o valor da oração e o relacionamento pessoal de DEUS com o seu povo respectivamente.
 
REFLEXÃO
"Asafe começou sentindo que seus pés quase escorregaram; porém, tempo na presença de DEUS mostrou-lhe quem realmente estava andando em terreno escorregadio." George Wood
REFLEXÃO
"Poucas pessoas têm tido um reconhecimento tão notório por suas orações como profeta Elias. Quando Ele orou ao seu DEUS, os resultados foram realmente notáveis." R. L. Brandt. Bicket
 
DICIONÁRIO
Antigo Testamento: É a primeira das duas maiores divisões da Bíblia. Nela consta um biblioteca de 39 livros canônicos.
Veterotestamentária: Relativo ao Antigo Testamento. Benquisto: Bem-aceito; bemvisto.
Exator: Cobrador ou arrecadar de impostos.
Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de Janeiro, CPAD, 2006. BRANDT, Robert L.; BICI
Revista Ensinador Cristão CPAD, no 44, p. 37.
 
Subsídio Teológico
"O livro dos Salmos é uma coletânea de poesia hebraica inspirada pelo ESPÍRITO SANTO; descreve a adoração e as experiências espirituais do povo de DEUS no Antigo Testamento. É a parte mais íntima e pessoal deste testamento, pois nos mostra como era o coração dos fiéis naquele tempo, e a sua comunhão com DEUS.
Nos livros históricos da Bíblia, DEUS fala acerca do homem; nos livros proféticos, DEUS fala ao homem, e nos Salmos, o homem fala a DEUS.
A alma do crente pode ser comparada a um órgão cujo executor é DEUS. Nos Salmos, percebe-se como DEUS toca todas as emoções da alma piedosa, produzindo cânticos de louvor, confissão, adoração, ações de graças, esperança e instrução. Até hoje, não foi achada linguagem melhor para que nós nos expressemos diante de DEUS. As palavras dos Salmos são linguagem da alma" (PEARMAN, Myer. Salmos. Adorando a DEUS com os Filhos de Israel. 5. ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2007, p. 5).
 
Subsídio Bibliológico
"No AT; a oração pode ser adequadamente descrita em termos dos grandes homens de Israel que aparecem muitas vezes como grandes intercessores perante DEUS em nome do povo. Nessa função, eles manifestaram uma incrível coragem e persistência. Abraão implora a DEUS pela pecadora Sodoma, insistindo de forma obstinada no número de justos pelos quais a cidade poderia ser poupada (Gn 18.22-33).
Jacó luta com o anjo (Gn 32.24-32), uma experiência que foi interpretada no próprio AT em termos de oração (Os 12.4).
Moisés pede para o seu nome ser apagado do livro da vida, se DEUS não perdoar aqueles que adoraram o bezerro de ouro (Êx 32.31 ss.; d. Nm 14.13-19). As orações relativas à experiência do exílio são feitas com o mesmo espírito de intercessão, mas com uma ênfase maior na humildade, na confissão e no arrependimento; por exemplo, as orações de Daniel (Dn 9.3-19), Esdras (Ed 9.5-15) e Neemias (Ne 1.5-11). A grande oração da aliança expressa em Neemias 9.10 representa toda a história sagrada desde Abraão até Esdras com suas características de pecado, confissão, perdão, renovação, e votos de fidelidade à lei de DEUS.
O livro dos Salmos é o livro de orações do AT; abrangendo todo tipo imaginável de oração - louvor, súplica, intercessão e ação de graças. [...] Nas orações penitenciais o justo torna-se mais consciente de seus pecados do que de seus inimigos externos, e suplica o perdão divino, muitas vezes com uma urgência idêntica e quase escatológica (por exemplo, SI 32, 38, 51)" (Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de Janeiro, CPAD, 2006, p. 1420).
 
 
QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 2, A ORAÇÃO NO ANTIGO TESTAMENTO
RESPONDA CONFORME A REVISTA DA CPAD DO 4º TRIMESTRE DE 2010
Complete os espaços vazios e marque com "V" as respostas corretas e com "F" as falsas.
  
TEXTO ÁUREO
1- Complete:
"Então, os sacerdotes e os levitas se levantaram e ________________________ o povo; e a sua voz foi ____________________, porque a sua oração chegou até à sua santa __________________________, aos céus" (2 Cr 30.27).
 
VERDADE PRÁTICA
2- Complete:
Assim como hoje, a ___________________________________ no Antigo Testamento era um ____________________ permanente de __________________________ entre DEUS e o seu povo.
 
INTRODUÇÃO
3- O que é estudar a respeito da oração no Antigo Testamento?
(    ) É ter contato com as origens deste imprescindível meio de relacionamento do homem com DEUS.
(    ) Nas principais divisões do cânon judaico, citadas por JESUS CRISTO em Lucas 24.44, nota-se que a oração sempre foi uma prática das pessoas que possuíam intimidade com o Eterno DEUS.
(    ) É ter a oportunidade de rever as orações não respondidas dos principais servos de DEUS.
 
I. A ORAÇÃO NO PENTATEUCO
4- Como foi a oração durante o Êxodo de Israel?
(    ) As orações nesse tempo não foram ouvidas por DEUS, pois viviam no Egito.
(    ) Todo o relacionamento divino com Israel foi aprofundado pela experiência do Êxodo; antes, durante e após este.
(    ) O Senhor ressaltou no deserto de Midiã: " ... tenho ouvido o seu clamor por causa dos seus exatores, porque conheci as suas dores..." (Êx 3.7b,8a).
(    ) "Portanto, desci para livrá-lo da mão dos egípcios..." (Êx 3.7b,8a).
 
5- Como foi a gratidão de Israel a DEUS, pela libertação do Egito?
(    ) Esqueceram-se de agradecer a DEUS.
(    ) O povo de DEUS era feliz e agradecido ao eterno DEUS por ser liberto do jugo do Egito, da escravidão, do cativeiro, da aflição (Êx 14.30,31; Sl 105.37-43; 136.11-26). o mesmo dos seus filhos hoje (Tg 1.25-27).
(    ) Após sair do Egito e sofrer a perseguição do exército de Faraó que acabou morto no Mar Vermelho, o povo de Israel, uma vez livre, exultou e agradeceu ao Senhor (Êx 15.1,2;: SI 136.10-16).
 
6- Que tipo de adoração o crente eleva ao Senhor, se estiver sempre em sua mente a grandíssima libertação operada em sua vida com a sua entrega ao Senhor JESUS, conversão e salvação?
(    ) Tudo recebido pelo merecimento, e amor de DEUS!
(    ) Tudo recebido pela graça, e amor de DEUS!
(    ) Esse crente se prostrará agradecido diante daquEle que o livrou da escravidão, do pecado e o tirou do reino das trevas para a sua maravilhosa luz e também testemunhará de CRISTO, para os outros.
 
7- Como foi o esquecimento e a ingratidão de Israel para com DEUS?
(    ) Com o tempo, se esqueceram de DEUS, mas o louvaram pelo alimento recebido e por preservá-los de se misturarem com os ímpios.
(    ) O povo de DEUS demonstrou ingratidão; ao esquecer-se daquEle que o ajudou e também daquilo que dEle receberam.
(    ) Em sua obstinada ingratidão, Israel mentiu ao afirmar que a comida que haviam 'deixado para trás, no Egito, era de "graça", pois foi paga com o trabalho escravo (Nm 11.5).
(    ) Israel foi ingrato e descuidado ao deixar o Egito com pessoas não crentes entre eles (Êx 12.38).
 
8- A que levou o povo de Israel, a "mistura de gente"?
(    ) Os levou a amar aos estrangeiros e a pregar a eles sobre DEUS, conseguindo muitas conversões.
(    ) Levou o povo ao declínio espiritual, levando a adoração a DEUS a se transformar em murmuração e idolatria (Êx 15.23,24; 16.2-12; 17.2,3; 32.111; Nm 11.1-6; 14.1-4).
(    ) O crente deve descansar nos propósitos de DEUS e ser-Lhe grato por tudo (Rm 8.28; 1 Ts 5.18). 1 Coríntios 10.1-13 é um aviso de DEUS para a igreja de hoje.
 
II. A ORAÇÃO E OS PROFETAS
9- Por que a oração é um fator decisivo no ministério profético?
(    ) A oração era o elo entre os profetas do Antigo Testamento e DEUS.
(    ) Por transmitir somente a verdade do Senhor, os porta vozes de DEUS não eram muito benquistos pela sociedade da época.
(    ) As orações dos profetas mostram seu zelo pela Palavra de DEUS, seus lamentos e advertências quando não eram ouvidos pelo povo.
(    ) As orações dos profetas eram capazes de mudar a ira de DEUS em bênçãos.
(    ) Muitos profetas exerceram seus ministérios em uma época em que os israelitas viviam uma vida espiritual apenas de aparência.
(    ) Os profetas empenhavam-se em fazer com que o povo compreendesse que para DEUS o que vale realmente é uma vida de compromisso com Ele, um culto real, uma adoração precedida da consagração, e não uma adoração de palavras vazias jogadas ao ar (Mq 6.6-8; Is 29.13; Am 5.10-15).
 
10- Complete:
O crente em JESUS deve viver de forma ______________________ com a nova ___________________________ que lhe foi _________________________ (Cl 3.1-17; Ef 4.17-32; 2Pe 1.4-9).
 
11- Como foi a oração do profeta Elias?
(    ) A necessidade e o anseio de tornar DEUS conhecido no meio do seu próprio povo, que estava envolvido com idolatria, motivou o profeta Elias a proferir uma das mais notáveis, destemidas e fervorosas orações do Antigo Testamento.
(    ) Elias teve dificuldade em perceber a mão de DEUS sobre sua oferenda, pois DEUS lhe falava sempre que estava na caverna.
(    ) Elias arriscou sua vida e demonstrou submissão, coragem e fé em DEUS diante de todo o povo escolhido e dos profetas de Baal e Asera (quantos podem fazer isso abertamente como Elias nos dias atuais?) e orou, depositando toda sua confiança no DEUS de Israel, pedindo fogo do céu, no que foi prontamente atendido.
(    ) O Senhor foi glorificado no meio do povo, e a história de Israel mudou naquele dia (1 Rs 18.36-39).
 
12- Como foi a oração do profeta Eliseu?
(    ) Eliseu demonstrou ter uma vida de humildade e íntima comunhão com o Senhor.
(    ) Sua vida de oração permitiu que tivesse uma profunda e ampla visão de mundo, algo que só os íntimos podem usufruir (2 Rs 6.8-23).
(    ) Este relacionamento com o Senhor lhe dava a certeza de que suas orações seriam prontamente atendidas.
(    ) Quanto mais o homem conhece a DEUS e sua Palavra, mais suas orações estarão de acordo com a vontade divina e, portanto, mais e prontamente serão respondidas (Jo 1 5.7).
(    ) Tal homem de DEUS orava "no ESPÍRITO SANTO" (Jo  v.20; Ef 6.18).
(    ) A mais difícil oração do profeta foi no dia de sua renúncia ao cargo de profeta.
 
III. OS LIVROS POÉTICOS E A ORAÇÃO
13- Como foi a oração de Jó?
(    ) A mais sofrida e dolorosa oração da bíblia findou em uma sensação de abandono.
(    ) Este é um livro que mostra claramente o valor da adoração e da oração (Jó 1.5; 16.16,17; 42.8).
(    ) Mesmo em meio às adversidades sofridas, Jó manteve-se fiel ao Senhor (1.2022) e pôde experimentar grande vitória justamente no momento em que orava (42.10).
 
14- Como os Salmos nos ensinam a orar?
(    ) Os Salmos expressam o relacionamento de Israel com DEUS.
(    ) Nos Salmos observamos a relação do homem com seu Criador, suas alegrias, tristezas, louvores, lamentações, súplicas e adorações são expressas por meio das mais diversas formas.
(    ) Os salmos nos orientam que o mais importante é louvar a DEUS.
(    ) Os vários tipos de salmos evidenciam que se pode expressar o estado da alma diante de DEUS, pois os seus diferentes estados não precisam ser suprimidos na vida de um autêntico servo de DEUS.
 
15- Como foi a experiência de Asafe na oração?
(    ) Asafe pouco orava, mas quando o fazia se demorava pelo menos 3 horas.
(    ) É praticamente impossível não se identificar, em algum momento de nossa vida, com os sentimentos expressados por Asafe no Salmo 73.
(    ) Entretanto, precisamos, através da oração, "entrar no santuário de DEUS" , para, assim como o salmista, entender os propósitos do Senhor para nossas vidas.
 
CONCLUSÃO
16- Complete:
Estudar a oração no Antigo Testamento leva o crente a _________________________ seu relacionamento e _________________________ em maturidade para com DEUS. Homens do passado usufruíram de íntima comunhão com o Criador mediante a ______________________________. Como seres humanos, nossas ansiedades e necessidades podem e devem ser colocadas __________________________________ daquEle que é o nosso Pai (Fp 4.6; 1 Pe 5.7).
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário